05/04/2014 09h19 – Atualizado em 05/04/2014 09h19

Em cinco anos, 49 novos pedidos de abertura foram registrados pela Jucems. Período de eventos é o de maior procura por acomodações

Larissa Lima

Quem visita Três Lagoas encontra uma vasta opção de hotéis, distribuídos nos mais diversos pontos. Todos os dias, dezenas de pessoas visitam a cidade com um motivo em comum: trabalho. Por conta disso, já se usam termos como Turismo de Negócios ou Turismo Industrial.

De acordo com a Junta Comercial do Estado de Mato Grosso do Sul (Jucems), existem hoje 99 empresas ativas registradas na atividade hoteleira. De 2010 para cá, o número de pedidos de abertura de estabelecimento cresceu. De cinco, passou para 16 em 2011. Já em 2012, houve uma queda, com apenas oito pedidos, número que passou do dobro em 2013, somando 19. Até o dia 31 de março deste ano, foi registrado apenas um. Ao todo, 49 novos pedidos de abertura foram registrados pela Jucems em cinco anos, enquanto o número de solicitações de fechamento foi de oito, no mesmo período.

De acordo com a responsável pelo Sindicato Hoteleiro, Janete Okiuto Klein, existe em Três Lagoas, 23 estabelecimentos entre hotéis, motéis e pousadas. Segundo consta no Relatório Socioeconômico, disponível no site da Associação Comercial e Industrial de Três Lagoas, ao todo são 1200 leitos (divididos entre suítes, apartamentos e quartos). Do total de hotéis, dois possuem padrão quatro estrelas.

Por conta do intenso fluxo de pessoas e o aumento da procura, novos estabelecimentos foram construídos e alguns investiram em ampliação, como é o caso do hotel Vila Romana. Segundo a gerente, Clarice Fink, o número de apartamentos, que era de 70 passou para 120.

QUEDA

Clarice Fink, responsável também pelo Mediterrâneo Park Hotel, conta que a vinda de novas indústrias gerou uma demanda que atualmente inexiste. “Há alguns anos, reclamavam que não tinha hotéis e que as pessoas que vinham a Três Lagoas dormiam no carro, mas esse tipo de situação era apenas durante alguns eventos. Por conta dessa propaganda, foram construídos muitos hotéis. Alguns inclusive já estão à venda por conta da grande queda no movimento”, revela.

De 2012 para cá, mais de 60% do movimento caiu, afirma Clarice. A mesma queda é sentida pela gerente Gabriela Prata Tibery do Hotel OT, que também ampliou o numero de quartos, de 62 quartos (2010) para 87.

PROCURA

Ainda de acordo com Clarice, o evento que mais atrai hóspedes para o hotel é o Moto Show, que será realizado no mês de agosto deste ano. Seguido pela parada das fábricas (período em que as indústrias paralisam as atividades para inspeção geral dos equipamentos) que geralmente ocorre em junho, mas que neste ano foi antecipado para maio, por conta da Copa do Mundo. Já a Exposição, realizada em junho, gera um movimento irrisório para um dos hotéis e para o outro, de apenas 40%, conta a gerente.

A parada das fábricas também estimula a procura por apartamentos, em contrapartida, carnaval e o período de festas de fim de ano o movimento volta a cair, esclarece Gabriela Prata Tibery.

Neste mês de abril, mais um evento que será realizado em Três Lagoas promete aquecer o mercado hoteleiro nos dias 12 e 13 (sexta e sábado): a primeira etapa do Campeonato Brasileiro de Motocross. A Confederação Brasileira de Motociclismo espera superar o público do ano anterior, que foi de 15 mil pessoas.

Os estabelecimentos já se preparam para receber o grande número de visitantes, entre eles o Druds e o Hotel Sul. “A expectativa é muito boa. Estamos otimistas e esperamos receber uma grande quantidade de hóspedes”, conta Leonardo Rossignoli Konno, gerente do hotel Druds. O estabelecimento, que aos finais de semana oferece desconto de 30%, já se comprometeu em oferecer o mesmo benefício aos hóspedes que visitarem Três Lagoas para prestigiar o Brasileiro de Motocross.

No Hotel Sul a realidade é a mesma. “Estamos na expectativa de aumentar nosso movimento. Nós já estabelecemos um preço reduzido em relação aos demais hotéis da cidade e vamos manter esse preço”, afirmou a gerente-proprietária Ana Thereza Gomes Fontebasso.

Hotéis se preparam para receber grande número de pessoas para o Brasileiro de Motocross (Foto: Léo Lima)

Comentários