04/04/2019 15h06

Ordem chamou o ato de “barbárie” e disse que o fato é “reflexo de uma sociedade dividida, onde o ódio prevalece”

Gisele Berto

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Mato Grosso do Sul publicou hoje, 4, uma nota de repúdio em relação ao caso do catador de recicláveis e morador em situação de rua Roberto Pedro da Silva, 46 anos, que dormia em uma construção quando um desconhecido lhe ateou fogo ao corpo. O caso aconteceu na madrugada desta quarta-feira, dia 3, próximo ao UPA.

Para a OAB, é “inimaginável as razões pelas quais um ser humano é levado a praticar tal ato de barbárie contra seu semelhante”. Além disso, a Ordem avalia que “tais atos são reflexos de uma sociedade dividida, onde o ódio prevalece, o diálogo ficou para um segundo plano e o ser humano passou a ser tratado como coisa”.

Como “porta-voz constitucional da sociedade”, a OAB afirmou, ainda, que confia nas instituições para uma “rápida e eficaz apuração desse grave acontecimento”.

Roberto teve queimaduras de 2° e 3° grau, no tórax, braços, mãos, face e pescoço, 70% da área corporal queimada. Segundo boletim do Hospital Auxiliadora, o homem foi atendido, medicado, realizou exames e, devido à gravidade dos ferimentos, foi transferido às 14h de ontem para a Santa Casa de Campo Grande.

Nota de Repúdio da OAB. Clique para ampliar

Comentários