Obra, que já foi paralisada por greves e problemas burocráticos, finalmente entra na reta final; inauguração deve acontecer em março do ano que vem

O Hospital Regional de Três Lagoas, unidade que será estratégica para o atendimento hospitalar na região do Bolsão, está com 64,35% das obras concluídas, conforme a última medição realizada pela Agesul (Agência de Gestão de Empreendimentos de Mato Grosso do Sul).

Inicialmente orçada em R$ 41 milhões, a obra consumirá mais de R$ 56 milhões, sendo R$ 21 milhões do Governo do Estado e o restante oriundo do BNDES. A primeira ordem de serviço foi assinada ainda na gestão de André Puccinelli, em dezembro de 2014. Essa ordem, entretanto, foi cancelada por Azambuja por desentendimentos em relação à empresa vencedora da licitação. A construção começou, de fato, em março de 2017 e, após passar por greves e problemas burocráticos, as obras devem ser entregues em março de 2020.

No prédio já estão instalados as tubulações de gás, os elevadores e o sistema de climatização. A pintura, a pavimentação externa e a fase de acabamento já começaram. “Estamos em fase de acabamento. O ritmo agora aparenta ser um pouco mais lento, justamente porque estamos nessa fase, mas as obras estão a todo vapor.  Estão sendo instaladas as louças, parte cerâmica, metais, além da pavimentação externa e a pintura que já começaram”, conforme informações do engenheiro civil da Agesul, Antônio Dacal Junior.

Construído em um terreno de 26.466,28m², o prédio de 15.687,00 m² e contará com blocos setorizados: Bloco A, Bloco B, Bloco D e os anexos.

Assentamento de contramarco, peça de moldura para esquadrias. Foto: Fotos: Agesul

No bloco A funcionará os serviços de emergência e urgência, psiquiatria, diagnóstico, tomografia, ressonância magnética, raio-x e ultrassonografia. A estrutura contará com ambulatórios, leitos, centro cirúrgico, auditório, salas de aulas, laboratórios, esterilização e área técnica dos equipamentos de climatização do centro cirúrgico.

Já o Bloco B contará com a farmácia, hemodinâmica, diretoria, coordenação, pediatria, alojamento, enfermaria, isolamento, elevador e escada de acesso para o bloco A e casa de máquinas. No Bloco D serão instaladas a lavanderia, cozinha e vestiários,

O hospital, que irá atender pacientes de alta e médica complexidade, será referência em saúde para toda costa leste de Mato Grosso do Sul. Ele funcionará com estrutura de atendimento para moradores de pelo menos 10 cidades: Água Clara, Aparecida do Taboado, Bataguassu, Brasilândia, Cassilândia, Inocência, Paranaíba, Santa Rita do Pardo e Selvíria, além de Três Lagoas.

Comentários