03/04/2014 11h19 – Atualizado em 03/04/2014 11h19

Considerado para muitos um sonho impossível de realização, a concretização da rodovia começa a se tornar realidade. Vários trechos já estão concluídos e a estrada vai permitir a integração da região com a capital de MS e diminuir a distância com o território paulista

Léo Lima

A tão sonhada integração do Bolsão Sul-mato-grossense com a capital do Estado e ainda com o território paulista, já está sendo concretizadas com a execução de obras de pavimentação asfáltica de uma das principais rodovias estaduais da região, a MS-040. Segundo a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos de MS), a rodovia, totalmente pavimentada entre Santa Rita do Pardo e Campo Grande (209 quilômetros), deverá ser inaugurada no final deste ano.

Em conversa com o engenheiro Dirceu Deguti, responsável pela Agesul em Três Lagoas, a reportagem do Perfil News conseguiu informações importantes dando conta de que os esforços do governador André Puccinelli, da vice Simone Tebet, do secretário de Obras Edson Giroto e dos deputados Akira Otsubo (federal) e Eduardo Rocha (estadual), em busca de recursos para bancar tais investimentos em infraestrutura não foram em vão e a rodovia está prestas a ser concluída.

Segundo Deguti, “a maior parte do traçado era somente projetado e agora está sendo aberto e asfaltado”. Para ele, “com o término desse asfalto, será incorporado um milhão de hectares de terras férteis ao sistema produtivo; a MS-040, por passar entre a BR-262 e a BR-267, vai dividir o trânsito de veículos nessas rodovias federais”.

Após sua conclusão, conforme o engenheiro, a rodovia MS-040 diminuirá a distância de Presidente Prudente/Bataguassu a Campo Grande em 40 quilômetros, em relação ao percurso que se faz atualmente pela BR-267, que passa pela localidade de Casa Verde.

Além disso, ainda segundo Deguti, o término do asfalto na MS-040 ampliará o potencial de Ribas do Rio Pardo receber uma fábrica de celulose. “A Fazenda Modelo, por exemplo, plantão grãos, esmaga e manda o óleo para São Paulo, aproveitando o bagaço para engordar 20 mil cabeças de gado”, enfatizou.

CRONOGRAMA

Outro engenheiro responsável pela execução da estrada, Márcio Mesquita garante que “as obras estão dentro do cronograma programado e sua conclusão acontecerá até o final do ano”.

De acordo com Mesquita, para acelerar o ritmo da execução das obras nessa rodovia o governo estadual dividiu o trecho a ser asfalto em dez lotes, realizados por cinco empreiteiras. A empresa Proteco está executando os serviços nos lotes 1 e 2; a Equipe, 3 e 4; Equipav, 5 e 6; Encalso, 7, 8 e 9; e CGR, lote 10.

Consta que um dos serviços mais difíceis de ser executado é o correspondente aos lotes 7, 8 e 9, onde não existia estrada e houve necessidade de abertura, além das obras na ponte sobre o rio Pardo.

INTEGRAÇÃO

O engenheiro Dirceu Deguti comentou ainda que, “com a conclusão da obra, Santa Rita do Pardo vai sair do isolamento, terá a tão sonhada integração com a Capital e outras cidades, integrando mais ainda a região de mais de um milhão de hectares de terras, fazendo escoar sua produção”.

As obras vão reduzir consideravelmente a distância entre Santa Rita e Campo Grande (230 quilômetros, mais cerca de 20 km já conclusos no território da capital), sendo que o traçado atinge a região conhecida como Três Barras, no município campo-grandense.

Das obras constam também a consrtrução de pontes, como a sobre o rio Pardo (Foto: Divulgação)

Alguns trechos da rodovia já estão asfaltados e outros recebendo terreplanagem e depois capa asfáltica (Foto: Divulgação)

No canteiro de obras, está montada uma grande estrutura para dar àpoio aos trabalhos (Foto: Divulgação)

A cidade de Santa Rita do pardo, sem dúvida, vai ganhar muito com a pavimentação da rodovia (Foto: Divulgação)

Comentários