12/04/2014 10h30 – Atualizado em 12/04/2014 10h30

Prefeito divulgou nota de esclarecimento neste sábado onde comenta sobre os dois episódios

Da Redação

O prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), publicou na imprensa neste sábado (12) uma nota de esclarecimento para explicar que recebeu em sua casa, ontem (11) pela manhã, o promotor do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Marcos Alex Vera de Oliveira, para notificá-lo a prestar esclarecimentos sobre o inquérito que apura supostas irregularidades praticadas por um ex-assessor do ex-prefeito Alcides Bernal.

Gilmar Olarte explicou que se colocou a disposição para prestar declarações ao Ministério Público em dia e horário a serem agendados.

Ainda conforme a nota, o prefeito conta que não teve nenhuma participação nos fatos investigados e sobre os quais não pode se manifestar porque o caso está sob sigilo por determinação judicial.

Apesar de não poder falar sobre o caso apurado pelo Gaeco, Olarte citou apenas que esse ex-assessor, por decisão do Ministério Assembleia de Deus Nova Aliança, foi excluído em dezembro do ano passado por apresentar conduta incompatível com os padrões e princípios éticos da instituição. A igreja é a mesma frequentada pelo prefeito.

Com relação à prisão de duas pessoas que trabalham com o prefeito e foram autuadas por porte ilegal de arma de foto, Olarte justificou que elas são guardas municipais e que será instaurado procedimento administrativo para apurar as condutas e adotar as providências cabíveis.

(*) Com informações do Correio do Estado

Olarte se colocou à disposição do MP para esclarecimentos (Foto: Álvaro Rezende/ Correio do Estado)

Comentários