09/09/2014 17h20 – Atualizado em 09/09/2014 17h20

Prefeitura de Bataguassu pode ser notificada pelo MP a atender paciente com câncer

Em março deste ano, a casa de Cláudio Brogna foi consumida por um incêndio; agora, seu problema é falta de atenção por parte da administração municipal em não fornecer transporte para que ele trate sua saúde

Léo Lima

Após ter a casa onde morava com a esposa e os quatro filhos, no bairro Jardim Campo Grande, em Bataguassu, consumida pelas chamas de um incêndio, em março deste ano, Cláudio Martins Brogna, de 36 anos, descobriu na época que é portador de uma doença grave, que ataca milhões de pessoas no mundo: o câncer. Porém, não se desesperou como muitos pacientes com câncer se comportam. Enfrentou mais esse desafio em sua vida e há seis meses vem realizando tratamento em uma cidade no interior paulista, já que no lugar onde vive não tem condições de efetuar o combate à doença.

No entanto, essa situação mudou no momento em que o benefício do transporte, disponibilizado pela Prefeitura de Bataguassu, foi interrompido. Tal fato pode prejudicar o tratamento de Cláudio em Jaú (SP), onde ele realiza exames e sessões de quimioterapia subcutânea para combater o câncer de pele. “Eles [prefeitura] deram o transporte para a gente [dezenas de outros pacientes com a mesma doença], mas na última semana disseram que não tinham mais veículo à disposição e agora não tenho mais condições de ir até Jaú fazer a quimioterapia e pegar os medicamentos”, desabafou Brogna.

Por conta disso, registrou queixa na Delegacia de Polícia local e foi também ao Ministério Público em busca de amparo legal. “Procurei o Ministério Público para ajuizar uma ação e o MP disse que vai notificar a Prefeitura para que num prazo de 24 horas volte a fornecer o transporte”, afirmou Cláudio à reportagem do Perfil News, na tarde desta terça-feira (09).

Segundo Cláudio, ele procurou a administração municipal, mas a Assistência Social acenou com a possibilidade de fornecer passagens rodoviárias para que ele se desloque até Jaú. “Mas, como é que eu vou ficar, sem auxílio de hospedagem – tenho que ficar pelo menos três dias lá – e alimentação”, cobrou. Disse que todo dia 15 tem que estar na cidade paulista para realizar o tratamento. Brogna é portador da enfermidade denominada melanoma maligno (câncer de pele).

SEM TETO

A casa onde Cláudio residia foi palco de um incêndio no dia 28 de março deste, cujo sinistro consumiu também móveis e eletrodomésticos que a família tinha. Por conta disso, ele pediu ajuda da população local e também da Prefeitura de Bataguassu. “A prefeitura está pagando o aluguel de uma casa para a gente morar enquanto nossa casa é recuperada; também fornece uma cesta básica. Mas, o maior auxílio veio da comunidade que ajudou com doações de móveis e outros objetos necessários para nossa vida continuar”, contou ele.

Cláudio disse também que “o governo do Estado (não precisando quem se comprometeu) ficou de arrumar material de construção para a gente reerguer a casa, mas até agora não veio nada”.

Até o Legislativo Bataguassulense acudiu ao pedido de socorro de Cláudio Brogna, por conta do incêndio. De autoria dos vereadores Maria Pereira da Silva, Reginaldo Aparecido Pereira e João Carlos Kotai, a Câmara Municipal enviou requerimento à Prefeitura Municipal para que, através da Secretaria de Assistência Social, “possa dar total apoio à família do senhor Cláudio Martins Brogna, além do que já obteve pelo Poder Público, sendo possível a doação de materiais para que o mesmo possa reconstruir sua casa”.

O documento foi apresentado e aprovado no dia 14 de abril deste ano. Até o momento, segundo Cláudio Brogna, nenhuma providência foi tomada pela Prefeitura nesse sentido.

Bombeiros atendem ocorrência onde a casa de Cláudio Brogna foi consumida por incêndio (Foto: Da Hora Bataguassu)

Praticamente, todos os móveis e eletrodomésticos da família também foram consumidos pelas chamas (Foto: Da Hora Bataguassu)

Comentários