Homem foi preso preventivamente por abuso sexual contra a menina; ela teria sido violentada no Dia das Crianças. Gabrielly foi assassinada pela mãe e pelo irmão em Brasilândia

O padrasto da menina Gabrielly Magalhães, 10 anos, brutalmente assassinada pela mãe com a ajuda do irmão de 13 anos, foi preso preventivamente pela Polícia Civil. O caso aconteceu em Brasilândia no último final de semana.

Segundo informações obtidas pelos investigadores, a criança poderia ter sofrido abusos sexual por parte do padrasto. Esse fato seria um dos motivos do crime, pois ela ameaçava revelar o fato.

Abusada no Dia das Crianças

O padrasto acabou preso após a Polícia Civil pedir sua prisão preventiva. Ele foi interrogado e negou o crime. Admitiu, porém, ter ficado sozinho com a enteada em uma ocasião na qual a mãe e os irmãos viajaram para o interior de São Paulo.

A Polícia Civil teve informações de que a vítima foi violentada nessa ocasião e revelou à mãe assim que ela retornou de viagem. A mãe não tomou nenhum providência. A violência sexual teria ocorrido no dia 12 de outubro, dia das crianças.

A Polícia Civil também tem evidência de que a vítima fora violentada no dia anterior ou horas antes de ser morta, fato que será confirmado com a conclusão do laudo de exame pericial necroscópico. Ela teria se queixado à mãe justamente sobre esse último abuso, que tem indícios de violência.

Menina foi enterrada viva de cabela para baixo. Fotos: Arquivo Perfil News

As investigações continuam com o intuito de conseguir mais provas sobre os crimes praticados pela mãe e pelo padrasto de Gabrielly.

Novas informações apontam também que o padrasto estava em casa quando ela saiu com a menina e o irmão para matar a criança. Ele alegou que não sabia de nada pois estaria dormindo nesse momento. A Polícia Civil apura a participação dele também no crime de homicídio.

O material colhido na cena e crime e nas diligências posteriores será encaminhado para exame pericial. Os dois inquéritos que foram instaurados para apuração da morte da criança e dos abusos sexuais serão concluídos na semana que vem.

Comentários