Iniciativa partiu de uma especialista em educação da Prefeitura; com o apoio dos professores, alunos participaram do projeto “Mãos que Falam”

Inclusão é isso: ao ver o aluno Pedro Henrique Ojeda Ramos da Silva, da Escola Municipal Joaquim Marques de Souza, ser alfabetizado e ensinado por meio da língua dos sinais, a especialista em educação Rosângela Santos decidiu que precisava integrá-lo à classe – e a classe a ele.

Dessa forma, ela sugeriu que a turma toda aprendesse Libras – a língua brasileira de sinais. “Vários intérpretes passaram pela escola, mas somente este ano conseguimos que esse pedido fosse ouvido. A professora Ruth se reuniu com a coordenação da escola, entrou em contato com a família e a partir disso montou o projeto. Ficamos muito felizes”, disse a especialista.

A partir do conhecimento do Pedro a professora iniciou o trabalho não só com ele, mas com toda a classe com o apoio da professora regente Joelma Belau dos Santos.

E nesta terça-feira, 3, os coleguinhas de Pedro receberam seus certificados: com 40h de aprendizado em Libras, a classe se formou no nível básico, o que já possibilita a interação entre eles.

O aprendizado foi feito por meio do projeto “Mãos que Falam”, da professora Ruth dos Santos Oliveira com o apoio do professor, mestre e presidente da Associação de Famílias, Amigos, Profissionais e Pessoa Surda (AFAPS), Adriano Gianotto que assinou os certificados.

“Findamos o ano letivo com toda a sala apta a se comunicar em Libras e foi emocionante ver o momento dos alunos recebendo o certificado com a presença dos pais e do aluno Pedro”, disse Joelma.

Comentários