06/09/2019 10h17

Ideia é ser uma versão patriota da gringa Black Friday; em Três Lagoas o comércio central também aderiu e é possível ver que o verde-amarelo domina as vitrines.

Gisele Berto, com Agência Brasil

Começa hoje (6) e vai até o próximo dia 15 a campanha Semana do Brasil, movimento lançado pelo governo que visa a incentivar o consumo e estimular a economia do país. Até o momento, 4.680 empresas e entidades estão mobilizadas e vão participar da semana oferecendo descontos, promoções aos consumidores.

Em Três Lagoas as empresas já começam a se cadastrar. No comércio central é possível ver que o verde-amarelo domina as vitrines. O Magazine Luiza e a Rede Nova Estrela fazem as divulgações mais ostensivas na cidade. Também participam Território Teen, Cacau Show e o Banco do Brasil. Para saber quem está participando da iniciativa basta acessar o site da Semana do Brasil

A semana, que aproveita as comemorações do 7 de setembro, data em que se celebra a Independência do Brasil, tem como mote “Vamos valorizar o que é nosso” e é inspirada em campanhas de varejo de outros países, como os Estados Unidos, que costumam realizar promoções em feriados nacionais. A proposta pretende gerar um ambiente de confiança para este e os próximos meses de 2019.

Uma parceria do governo com o Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV) ajudou a mobilizar, nos últimos meses, diferentes segmentos do varejo, comércio e serviços, para que buscassem as melhores formas de viabilizar as ações promocionais.

Para as próximas edições, a ideia é estimular ainda mais o comércio por meio do compromisso da iniciativa privada com o desenvolvimento do País”, diz o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos.

De acordo com o governo, a criação e o lançamento da campanha foram estrategicamente elaborados visando a realçar o mês de setembro como mais um período de promoções que, a exemplo do Natal, poderá contribuir para aquecer a economia, movimentando o comércio e estimulando o turismo interno.

Valter Campanato/Agência Brasil

Comentários