Governo do estado anuncia acordo com empresa estatal russa para fabricação, produção e distribuição de vacina Sputnik V contra coronavírus

R7.COM – O governo do Paraná anunciou que irá assinar, na quarta-feira (12), um convênio com a empresa estatal russa para produzir a vacina Sputnik V, contra o novo coronavírus. O nome da vacina faz referência ao primeiro satélite lançado ao espaço na história, pela então União Soviética, em 1957.

De acordo com o governo, o acordo prevê que o estado poderá fazer testes, produzir e distribuir a vacina. A previsão é de que o convênio seja assinado pelo governador Ratinho Júnior (PSD) e o embaixador da Rússia, às 14h da quarta-feira.

Segundo o governo, a etapa seguinte à assinatura do acordo é o compartilhamento do protocolo russo com a Anvisa, para que a agência libere as demais etapas. Foi feita uma primeira aproximação entre o governo do estado com as autoridades russas. No momento, o protocolo está sendo estudado.

Nesta terça-feira (11), o presidente Vladimir Putin afirmou que a Rússia se tornou o primeiro país do mundo a conceder aprovação regulatória para uma vacina contra a covid-19 após menos de dois meses de testes em humanos, uma medida aclamada por Moscou como prova de eficiência científica.

O desenvolvimento abre caminho para a imunização em massa da população russa, mesmo enquanto o estágio final de testes clínicos para testar a segurança e eficácia segue em andamento.

A velocidade com que a Rússia se move para lançar sua vacina demonstra determinação em vencer a corrida global na busca por um produto eficaz, mas, ao mesmo tempo, desperta temor pela possibilidade de o país colocar o prestígio nacional acima da ciência e da segurança.

Putin disse, em uma reunião governamental na televisão estatal, que a vacina, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Moscou, é segura e que chegou a ser administrada a uma de suas filhas.

Fabricação no Brasil

O chefe do fundo soberano da Rússia, Kirill Dmitriev, afirmou nesta terça-feira, 11, que a Sputnik 5 deverá ser produzida no Brasil e a fabricação dela na América Latina iniciará em novembro, desde que obtida aprovação regulatória.

Ele disse que a Rússia já recebeu pedidos por mais de 20 países por 1 bilhão de doses de sua recém-registrada vacina contra a doença causada pelo novo coronavírus.

Comentários