18/09/2019 16h54

Evento reuniu autoridades no local onde a fabricante de papel tissue deve se instalar, no Distrito Industrial; projeto de R$ 190 milhões gerará 500 empregos na obra e 200 após a inauguração

Gisele Berto

Começou hoje, 18, efetivamente, a história da Unir em Três Lagoas. A fábrica, que produz papel tissue (variações de papel toalha, higiênico e absorventes) teve sua pedra fundamental oficialmente lançada, em evento que reuniu autoridades no Distrito Industrial, onde a empresa será instalada.

O Secretário de Desenvolvimento do Estado, Jaime Verruck, observou os esforços feitos pelo Governo do Estado, em incentivos fiscais, para possibilitar a instalação da empresa. “Esse tipo de indústria está na linha estratégica do MS Empreendedor, porque ela usa matéria-prima produzida no local (no caso, a celulose) e converte em produto acabado. É exatamente o tipo de indústria que o estado precisa”, afirmou.

Para bater o martelo e se instalar em Três Lagoas, a Unir contou com 75% de redução de impostos até 2032. “Se eles pegassem o produto na fábrica de São Paulo e fossem vender dentro da cidade de SP pagariam 12% de impostos. Se fossem vender fora de São Paulo, pagariam 17%. Se instalando aqui vão pagar 3%”, comparou Verruck.

O “combo-incentivo” conta também com a participação da Prefeitura, que cedeu a área para a construção. “Com a retomada de UFN3, que acontecerá em breve, Três Lagoas pode se preparar para viver uma nova era de expansão industrial”, comemorou o Secretário.

NÚMEROS

A Unir pertence ao grupo Anin e tem duas fábricas – uma de fabricação de papel e uma de transformação, ambas na região da Grande São Paulo. Em Três Lagoas a empresa unirá essas duas linhas produtivas em uma só fábrica (daí o nome Unir).

A fábrica será construída sobre uma área de 80 mil metros quadrados, no Distrito Industrial. Segundo o presidente da Anin, Áurio Lima Júnior, a empresa terá capacidade produtiva de 30 mil toneladas no primeiro ano – e já planeja expansão. Os empresários já anunciaram o interesse em uma área vizinha e apresentaram à Prefeitura a documentação para uma segunda fase e um projeto de expansão da primeira planta.

Nessa segunda etapa, a indústria deve elevar sua produção a 90 mil toneladas. A empresa gerará 500 empregos durante a construção e abrir 200 vagas (diretas e indiretas) na operação.

“Já começamos a movimentação no terreno”, contou Áurio. “Agora, estamos encerrando alguns trâmites burocráticos e acredito que até o final de novembro montaremos nosso canteiro de obras. A fábrica deve começar a operar em 2021”, afirmou Áurio.

A planta de Três Lagoas será responsável pela fabricação de papel higiênico, descartáveis (fraldas e absorventes) e papel toalha para cozinha.

O Presidente da Anin, Áurio Júnior. Foto: Ricardo Ojeda
Comentários