13/05/2015 08h36 – Atualizado em 13/05/2015 08h36

Presidente da Fetems, Roberto Botareli foi a Assembleia Legislativa ontem criticar o projeto do Executivo que exclui profissionais administrativos do direito de participar das eleições para diretoria escolar. A matéria deve ser votada no dia 14, data em que o sindicalista prevê uma paralisação por parte dos profissionais da educação. Para quem não se lembra, Botarelli é o simpatizante do PT que foi criticado por ficar entre braço e abraços com André Puccinelli (PMDB) no fim do governo passado por conta de projetos interessantes em favor da categoria.

LENDA

A notícia de que a Câmara de Vereadores da Capital vai analisar uma proposta que reduz de 29 para 23 o número de assentos na Casa soa mais como uma piada do que propriamente uma informação. Se é uma coisa que eles jamais vão fazer é dar um tiro no próprio pé. A história mostra isso. Mas bem que a população poderia aproveitar a deixa e partir com tudo pra cima deles exigindo essa diminuição de vagas. Ta mais do que provado que político só muda quando há pressão popular.

RUMORES

As notícias de que mais dois vereadores da Capital estariam na lista de Fabiano Otero, têm deixado o pessoal em polvorosa na Casa de Leis. Como a Justiça aceitou a delação premiada do acusado, certamente é porque ele tem como provar o envolvimento de mais gente no esquema. Ninguém em sã consciência iria assinar um termo com um criminoso se ele não oferecesse provas do que está falando. Enquanto nada for divulgado, muita especulação vai aparecer pela frente.

LOBBY DO BATOM

A BPW (Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais) promove no próximo dia 29, em Campo Grande, uma marcha em favor da igualdade de salários. A marcha, que sairá da sede da OAB e seguirá até a Assembleia Legislativa, onde ocorrerá uma audiência pública para discutir o tema, faz parte da campanha “Trabalho Igual, Salário Igual”.

IMORAL

Pode ser até legal, mas chega ser imoral ver o ex-procurador-geral da república, Antonio Fernando de Souza atuando na defesa do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), suspeito de ser um dos beneficiários do dinheiro da Petrobras. O ex-procurador, para quem não se lembra, ganhou notoriedade ao denunciar diversos membros do Governo Lula no escândalo do Mensalão. eroz na defesa do dinheiro público, agora, mandou às favas tudo aquilo que considerava ilegal.

Comentários