12/05/2016 09h32 – Atualizado em 12/05/2016 09h32

Já são fortes os indícios de que delações premiadas na 2ª fase da Operação Lama Asfáltica, denominada de ‘Fazendas de Lama’ mostrem o caminho das pedras, ou seja, onde foi parar todo o dinheiro desviado pelo grupo. Isso quer dizer, na prática, que quem optar por esse tipo de artifício pode ter redução ou até a extinção da pena. É bom lembrar, no entanto, que o benefício só será concedido a quem efetivamente contar tudo que sabe e fazer com que a investigação chegue até ao último centavo do dinheiro da corrupção. Isso pode fazer muita gente viver à base de lexotan.

OUTRA FRENTE

Com relação à operação ‘Lama Asfáltica’, existe uma investigação paralela que ocorre no âmbito do MPE (Ministério Público Estadual), mas que ainda não foi deflagrada. Uma força-tarefa montada pelo órgão também apura desvios de dinheiro em outra esfera de governo e deve, a qualquer momento, mostrar o resultado do que foi apurado até o momento. A mudança recente ocorrida no comando do MPE deve ter atrapalhado um pouco o desenrolar das investigações, mas nada que impeça a continuidade do processo.

MIOPIA

Como perguntar não ofende – ou pelo menos não deveria – como o Tribunal de Contas do Estado, com todo aparato que tem, aprova contas de um governo e, de repente, vem uma fiscalização de outros órgãos e descobre um rombo milionário desviado de seus cofres? Pelo que sabe, o órgão tem instrumentos suficientes para detectar esse tipo de crime. Para isso, basta ver em seu site a canetada de conselheiros em cima prefeitos, mesmo estes estando em distantes grotões. Com a palavra, os ilustres sete togados que compõem a Corte de Contas de Mato Grosso do Sul.

A TIRA-COLO

Em entrevista ontem ao programa do apresentador Tatá Marques (TV Campo Grande), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse que fará este ano a mesma mobilização que fez na campanha de 2012 para ajudar a eleger a vice-governadora Rose Modesto (PSDB) prefeita de Campo Grande. Ele disse que a correligionária está preparada para, caso seja eleita em outubro, implementar os programas defendidos pelo partido visando o melhor para a Capital. Por enquanto, a tucana surge em terceiro lugar entre os principais candidatos na pesquisa do Ipems divulgada ontem pelo jornal Correio do Estado, atrás do deputado estadual Marquinhos Trad (PSD), primeiro, e do prefeito Alcides Bernal (PP).

MALAS PRONTAS

Suplente de Delcídio do Amaral (sem partido), cassado na noite de terça-feira pelo plenário do Senado sob acusação de quebra de decoro parlamentar, Pedro Chaves (PSC) deve tomar posse na próxima terça-feira (17). Provavelmente, chega a Casa num clima menos turbulento, no momento de articulações do futuro governo de Michel Temer (PMDB-SP). Em entrevista à TV Morena, Chaves prometeu atuar em favor de grandes projetos para Mato Grosso do Sul, principal relacionados a questões financeiras como forma de garantir os investimentos que o Estado precisa.

Comentários