20/12/2012 16h44 – Atualizado em 20/12/2012 16h44

Da Redação

O Procon do Estado divulgou hoje (20) a segunda pesquisa do Natal deste ano. Foram apurados os preços de 244 itens, entre vários produtos típicos deste período, como panetones, vinhos, perus, frutas secas, castanhas e nozes. Para a realização do levantamento foram visitados oito estabelecimentos, entre supermercados varejistas e atacadistas, entre os dias 18 e 19 de dezembro.

A pesquisa apontou que houve um decréscimo de 1% nos preços com relação à primeira pesquisa deste ano, divulgada no início de dezembro. Entretanto no mesmo período do ano passado a diminuição foi de 3%. “Este índice é devido à falta de procura. Este ano os consumidores estão deixando para realizar as compras para ceia na véspera do Natal, e como a procura ainda está pequena, a oferta também é pouca”, explica o superintendente do Procon, Alexandre Rezende.

Em relação às variações, este ano a maior ficou por conta da castanha com 154%, sendo que na primeira pesquisa a variação era de 85% e no ano passado a variação foi de 94%. “Isso é provocado pelo aumento no preço do dólar em 2011, considerando que vários dos produtos natalinos ou são importados ou usam ingredientes importados” argumenta Alexandre.

A pesquisa revela que os produtos que mais sofrem variações ainda são os mesmos. A castanha do Pará com casca continua no ranking com 154%, sendo encontrada no menor preço por R$ 9,80 e no maior por R$ 27,89. Na sequência das maiores variações aparece o espumante sem álcool com 112%, sendo encontrado de R$ 4,60 a R$ 9,75.

A uva passa sem sementes está entre os produtos que mais apresentaram variação. O consumidor pode encontrar o produto com valor que varia entre R$ 15,90 e R$ 29,90; o tradicional panetone 74,2%, podendo ser encontrado com valores que variam entre R$ 7,25 e R$ 25,59. E para finalizar o ranking, o Chester aparece com a quinta maior variação – 69,2%, sendo encontrado por R$ 11,98 até R$ 12,28.

Todos os estabelecimentos pesquisados apresentaram itens entre menores e maiores preços da pesquisa. Desta forma a dica é para o consumidor não comprar em um só lugar.

O Procon ressalta ainda a importância do consumidor sempre estar atento. “Em recente fiscalização identificamos muitos casos de diferença de preços da gôndola para o caixa nos supermercados, portanto, estejam atentos e confiram as notas fiscais ou os preços nas telas do caixa com relação ao que estava exposto na gôndola ou no próprio produto. Havendo diferença ligue no disk denúncia 151”, alertou o superintendente.

(*) Com informações de Notícias MS

Comentários