09/04/2014 10h26 – Atualizado em 09/04/2014 10h26

Uma organização criminosa composta por servidores públicos municipais e empresários, previamente conluiados, maquiou licitações executadas com recursos transferidos pelo Governo Federal no âmbito do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar

Léo Lima

A Polícia Federal está neste momento ouvindo depoimentos de acusados de envolvimento em crimes de corrupção, formação de quadrilha e desvio de dinheiro na Prefeitura de Água Clara, gestão 2008/2012.

Até o momento 30 pessoas foram indiciadas na sede da Polícia Federal de Três Lagoas pelos crimes de formação de quadrilha e fraude a licitações (artigo 288 do Código Penal e artigo 90 da Lei 8.666/93). As investigações prosseguirão com a análise do material apreendido e interrogatório dos envolvidos.

Sessenta policiais federais e oito servidores da Controladoria Geral da União estão cumprindo na manhã desta quarta-feira (09) 15 mandados de busca e apreensão de bens e documentos em um escritório de consultoria empresarial na capital Campo Grande/MS, na sede da Prefeitura de Água Clara e em escritórios de contabilidade da cidade e na zona rural de Figueirão.

INVESTIGAÇÃO DO ESQUEMA

A ação conjunta faz parte das investigações que estão sendo realizadas no âmbito de inquérito policial instaurado em 2011 na Delegacia de Polícia Federal em Três Lagoas/MS para apurar esquema de corrupção que envolve direcionamento de licitações e conluio entre empresas participantes, com consequente desvio de recursos públicos na Prefeitura de Água Clara/MS na gestão 2008/2012.

De acordo com as provas já produzidas, uma organização criminosa composta por servidores públicos municipais e empresários, previamente conluiados, maquiou licitações executadas com recursos transferidos pelo Governo Federal no âmbito do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar realizando na formalização de processos licitatórios montagem processual, manipulação de informações e partilha amigável e predefinida dos objetos licitados.

As investigações têm como foco principal os pregões presenciais números 003/2010 e 005/2011, que resultaram na contratação de empresas para prestação de serviços de transporte escolar nos anos de 2010 e 2011 ao custo de R$ 3.665.391,95.

DENOMINAÇÃO

A Operação policial, batizada de “Barnum”,, é uma alusão ao “circo dos horrores”, empreendimento circense criado no século XIX pelo norte-americano Phineas Taylor Barnum, empresário do showbusiness falecido em abril de 1891 que se tornou mundialmente conhecido como o “príncipe das falcatruas”.

Uma coletiva de imprensa está marcada para ser realizada a partir das 13h30 desta quarta-feira, no auditório da Delegacia de Polícia Federal em Três Lagoas, na Rua Joaquim Murtinho nº 3261, Jardim Alvorada.

“Circo dos horrores”, empreendimento circense criado no século XIX é a denominação da operação (Foto: Ilustração)

Comentários