24/01/2019 13h31

Na luta contra o calor, plantar árvores que façam sombra pode melhorar muito a qualidade de vida

Gisele Berto

Três Lagoas vive uma guerra contra o calor. Para ajudar a população a se proteger do tempo quente e a melhorar sua qualidade de vida no verão inclemente, o Perfil News escolheu alguns temas que serão abordados nos próximos dias.

Hoje, falaremos sobre a importância das áreas verdes na redução da temperatura e na melhoria do clima.

PERFIL DA CIDADE

A cidade de Três Lagoas, que figurou algumas vezes neste ano entre os lugares mais quentes do país, tem hoje 300 mil m² de áreas públicas ajardinadas, segundo dados da Secretaria de Meio Ambiente.

Entretanto, de acordo com o titular da pasta, Toniel Fernandes, esse espaço não é todo ocupado por árvores. “A Lagoa Maior, por exemplo, tem 45m² só de água, e faz parte desse número”. Por isso, segundo Toniel, a Secretaria já pediu um levantamento do número de árvores plantadas na cidade.

“Faremos esse levantamento em parceria com o cadastro imobiliário”, afirmou o Secretário.

Esse estudo é necessário para entender se a cidade está dentro do recomendado pela OMS, que afirma que o ideal é que haja três árvores por habitante.

Além disso, dentro das áreas consideradas ajardinadas, há praças que têm árvores, mas não são gramadas – o que gera aquecimento do local.

A bióloga e professora da UNESP de Ilha Solteira Liliane Camargos explica que com a transpiração da vegetação, saída de água da planta, acontece a redução da temperatura do ambiente pois, para passar da forma líquida para a forma gasosa, a água vai “retirar” energia do ambiente. “Por isso percebemos um maior conforto térmico quando caminhamos próximo de áreas arborizadas”, afirma.

PESQUISAS

Segundo um levantamento publicado pela Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental da Universidade Federal de Santa Maria (RS) a “arborização urbana contribui para obtenção de um ambiente urbano agradável e tem influência decisiva na qualidade de vida nas cidades e, portanto, na saúde da população”.

De acordo com uma pesquisa encabeçada pelo Doutor em Biologia Arnaldo Rodrigues Santos Jr e pelo laboratorista clínico Anderson Martelli, da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, as cidades podem experimentar uma redução de até 5ºC por conta da arborização bem planejada.

ÁRVORES OU ARBUSTOS

Com a constatação de que uma cidade bem arborizada tem redução considerável de temperatura, o Secretário de Meio Ambiente de Três Lagoas esbarra em outra questão: o porte das árvores plantadas. Devido a restrições aplicadas no Código de Meio Ambiente da cidade, em seu artigo 31, somente é permitido o plantio de árvores de pequeno porte sob a rede elétrica. “Vemos lugares em que grandes árvores são plantadas sob os fios e a poda, feita por pessoas especializadas, permite que a rede elétrica fique livre, e grandes árvores possam produzir mais sombra. Aqui são árvores pequenas, até arbustos. Precisamos estudar a possibilidade de mudar essa situação em Três Lagoas”.

O estudo da UFSM detalha esse ponto, também. De acordo com os cientistas, cinco espécies se destacam por atenuar significativamente a radiação solar: a sibipiruna com 88,5% de atenuação, a chuva-de-ouro e o jatobá com 87,2%, a magnólia com 82,4% e, o ipê-roxo com 75,6%.

CONSCIENTIZAÇÃO

Apesar de todas as evidências de que uma cidade bem arborizada tem temperatura mais amena e proporciona mais qualidade de vida, os estudiosos chegaram à conclusão que “poucas cidades brasileiras possuem um planejamento efetivo para arborização de suas vias e espaços públicos. Por outro lado, muitas vezes a arborização urbana é vista como um problema pela população pelo confronto de árvores inadequadas com equipamentos urbanos, fiações elétricas, encanamentos, calhas, calçamentos, muros, postes de iluminação”.

Assim, seria necessário um trabalho público eficaz, tanto para planejar a arborização urbana quanto no sentido de mudar a visão da sociedade em relação ao meio ambiente e gerar cidadãos com um olhar ampliado para mundo.

Arborização no canteiro central da avenida Filinto Muller: temperatura sob a sombra chega a ser cerca de 30ºC menor que no asfalto sob o sol. Foto: Gisele Berto

Vista aérea do centro de Três Lagoas mostra a região com baixo índice de arborização. Secretaria do Meio Ambiente pediu uma contagem de árvores para produzir estudo sobre o tema. Foto: Divulgação/Prefeitura

Mangueira secular no Jardim das Oliveiras. Foto: Ricardo Ojeda.

Fonte: Árvore, Ser Tecnológico

Estudos mostram que a Sibipiruna é a árvore que mais atenua a radiação solar. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Esquema mostra a formação de ilhas de calor e a solução para combatê-las. Fonte: Árvore, Ser Tecnológico

Comentários