01/10/2013 14h38 – Atualizado em 01/10/2013 14h38

50 pessoas participam da qualificação, de 32 horas/aula com explanação teórica e visitas técnicas

Da Redação

A Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, com apoio da Secretaria de Estado de Saúde e do Fundo de Assistência Feminino (FAF), promove, desde o dia 30/9, o curso de capacitação de integrantes do Grupo Quebrando Silêncios e Lendas (QSL). Os objetivos são capacitar, desenvolver habilidades, padronizar procedimentos de atendimento a mulheres vítimas de violência doméstica, esclarecer inovações introduzidas pela Lei Maria da Penha e a atuação adequada dos profissionais da PM nesses casos.

Até o dia 3 de outubro, no hotel Internacional, 50 pessoas participam da qualificação, de 32 horas/aula com explanação teórica e visitas técnicas. As disciplinas que compõem o curso são: Entendendo gênero e feminismo; Violência contra a mulher; Lei Maria da Penha, uma conquista das mulheres e Visita a serviços de proteção à mulher em Campo Grande. Ministram a capacitação a professora Daniela Auad; a juíza da 1ª Vara de Violência Doméstica Simone Nakmatsu; a subsecretária da Mulher e da Promoção da Cidadania, Elza Maria Loschi e o comandante do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, tenente-coronel Massilon de Oliveira e Silva Neto.

Os participantes visitam a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, o Centro de Atendimento à Mulher Cuña Mbarete e a Defensoria Pública da Mulher para ver o funcionamento da rede de enfrentamento à violência contra a mulher em Campo Grande.

Ao final, ainda será elaborado o Procedimento Operacional Padrão para o atendimento, por policiais militares, de ocorrências de violência doméstica contra a mulher.

“O curso e o próprio QSL são espaços de discussão e troca de experiências. Ao longo da semana, conheceremos mais da realidade de cada um, das expectativas e necessidades. Assim, elaboraremos, com a participação de todos e de todas, um procedimento adequado para que possamos atender da melhor maneira possível, ajudar a minimizar os danos e evitar a repetição de algo tão grave quanto a violência doméstica”, disse a diretora de ensino do curso, major Sandra Regina Alt.

O QSL foi criado em 12 de março de 2013, por meio da portaria 007 do Gabinete do comandante-geral com a intenção de padronizar o atendimento de mulheres vítimas de violência doméstica, de esposas de policiais militares e policiais militares vítimas de violência doméstica, bem como receber e encaminhar denúncias de assédio moral e sexual dentro da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul.

(*) Com informações de Noticias MS

Comentários