04/10/2013 16h00 – Atualizado em 04/10/2013 16h00

PMA autua fazendeiro em R$ 30 mil por desvio de córrego e drenagem de várzea

O fazendeiro, de 63 anos havia realizado intervenções de desvio de um córrego, por 6,5 km, derrubando e aterrando vegetação em uma área de “vereda”

Da Redação

Policiais Militares Ambientais de Batayporã (MS) localizaram ontem pela manhã, em uma propriedade rural localizada nas proximidades do lago da usina Sérgio Motta, em Anaurilândia (MS) diversas degradações ambientais, em área de preservação permanente – APP. O fazendeiro, de 63 anos, residente em São José do Rio Preto (SP), proprietário da área, havia realizado intervenções de desvio de um córrego, por 6,5 km, derrubando e aterrando vegetação em uma área de “vereda” (várzea), que é área de preservação permanente. Ele realizou ainda a construção de valetas para drenagem das várzeas, tudo sem autorização ambiental.

O fazendeiro foi autuado administrativamente e multado em R$ 30.000,00. As atividades foram paralisadas e infrator foi notificado a apresentar plano de recuperação da área degradada – PRAD, junto ao órgão ambiental. Ele também poderá pegar pena de prisão de um a três anos por crime ambiental de destruir área de preservação permanente.

O fazendeiro alegou aos policiais que a área tratava-se de antigos drenos artificiais, porém, a PMA verificou que flui muita água em todos os canais e que existem diversas nascentes no local, que são áreas de preservação permanentes. Além disso, as atividades de derrubada da vegetação e de escavação dos drenos eram recentes.

(*)Com informações de Assecom PMA MS

O fazendeiro foi autuado administrativamente e multado em R$ 30.000,00. As atividades foram paralisadas e infrator foi notificado a apresentar plano de recuperação da área degradada (Foto: Divulgação/ Assecom)

Comentários