10/12/2018 08h11

Há 12 mandados de prisão temporária e 44 de busca e apreensão sendo cumpridos no Paraná na manhã desta segunda-feira (10)

Redação

O gabinete do deputado estadual Ademir Bier (PSD) na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) e endereços ligados a ele foram alvo de busca na manhã desta segunda-feira (10), em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

A ação mira um suposto esquema de propina entre médicos e empresários para furar a fila do Sistema Único de Sáude (SUS).

O Gaeco chegou à Alep por volta das 7h. Ao todo, são 44 mandados de busca e apreensão e 12 de prisão temporária em todo o estado.

Quatro médicos e dois funcionários do Hospital São Lucas, em Campo Largo, na Região Metropolitana da capital paranaense, foram presos, de acordo com o promotor do Gaeco, Hugo Corrêa Urbano.

Até a última atualização desta reportagem, não havia informações sobre o cumprimento dos demais mandados judiciais.

Procurada pelo G1, a equipe de Ademier Bier disse que dará um retorno sobre a operação assim que possível. A direção do hospital também foi procurada pelo G1, mas, ainda não comentou o caso.

Conforme o Ministério Público do Paraná (MP-PR), as prisões temporárias foram expedidas contra dois médicos, assessores, secretárias e intermediadores. Um desses intermediadores, segundo o MP-PR, é um vereador de Bandeirantes, município do norte pioneiro.

‘Despachante’

De acordo com o coordenador do Gaeco, Leonir Batisti, pessoas que precisavam de cirurgia ligavam para o assessor de Ademir Bier.

Esse assessor atuava como “despachante”. Ele entrava em contato com médicos que cobravam propina para fazer o procedimento, conforme Batisti.

O deputado, ainda segundo o coordenador do Gaeco, se beneficiava politicamente, com votos, ao dar “carteiradas” com a influência que tinha. Ademir Bier não foi reeleito nas últimas eleições, portanto, o mandato do deputado acaba no fim deste ano.

O Gaeco chegou, por volta das 6h, ao escritóiro do deputado que fica no Centro de Marechal Cândido Rondon, no oeste do estado. A equipe do Gaeco permaneceu cerca de duas horas e meia no local e recolheu diversos documentos.

Depois, o Gaeco foi até o prédio onde mora o deputado para cumprir outro mandado de busca e apreensão. Porém, Ademir Bier não se encontrava. Segundo funcionários, ele viajou na noite de domingo (9) para Curitiba.

‘Mustela’

A ação foi batizada de “Mustela” em alusão ao gênero de mamíferos que inclui animais conhecidos como furões.

De acordo com o MP-PR, as investigações começaram há aproximadamente um ano e meio na Promotoria de Justiça de Campo Largo.

Aempresa Solumedi, em Curitiba, também foi alvo do Gaeco nesta manhã. Inicialmente, havia sido dito que o Hospital Regional de Campo Largo era um dos alvos da operação mas, na verdade, é o Hospital São Lucas.

Os mandados são cumpridos nas seguintes cidades:

  • Curitiba

*Campo Largo (Região Metropolitana de Curitiba)

*Marechal Cândido Rondon (oeste)

*Almirante Tamandaré (Região Metropolitana de Curitiba)

*Campina Grande do Sul (Região Metropolitana de Curitiba)

*Telêmaco Borba (Campos Gerais)

*Bandeirantes (norte pioneiro)

*Campo Magro (Região Metropolitana de Curitiba)

*Colombo (Região Metropolitana de Curitiba)

*Siqueira Campos (norte pioneiro)

(*) Informações G1

Gabinete de deputado, na Alep, é um dos alvos de busca e apreensão — Foto: Tarcísio Silveira/RPC

Empresa Solumedi, em Curitiba, é um dos alvos do Gaeco — Foto: Amanda Menezes/RPC

Comentários