30/04/2013 15h07 – Atualizado em 30/04/2013 15h07

A pedido da vice-governadora os policiais deciram aguardar mais uma semana antes de iniciar uma greve

A decisão aconteceu durante as assembleias regionalizadas, ocorridas no final de semana, a categoria reinvidica um reajuste salarial de 25% este ano

Ricardo Mendes

Por maioria dos votos, os policiais civis decidiram atender ao pedido da vice-governadora Simone Tebet, de aguardar mais uma semana para que o Governo do Estado apresente uma contraproposta em relação ao reajuste da categoria antes de iniciarem a greve geral prevista para a próxima quinta-feira (02).

A decisão aconteceu durante as assembleias regionalizadas, ocorridas no final de semana.

A categoria reivindica um reajuste salarial de 25% este ano, porém em audiência realizada no último dia 23 com a diretoria do sindicato, o governador André Puccinelli disse que o percentual seria de apenas 7%, o que deixou os policiais indignados.

Na mesma semana, os diretores foram recebidos pela vice-governadora Simone Tebet, que afirmou ter grande interesse em ajudar os policiais e por isso pediu um prazo para tentar convencer Puccinelli a entrar em consenso com os policiais.

“Estamos dando um voto de confiança para a vice-governadora, já que ela se comprometeu em intermediar as negociações com o governo e disse que está disposta em ajudar os policiais civis”, disse o presidente do SINPOL/MS, Alexandre Barbosa da Silva.

Barbosa disse ainda que o prazo dado ao governo não significa que a greve está descartada. “Vamos aguardar uma contraproposta do governo, mas certos de que caso não haja um acordo, a categoria iniciará uma greve geral por todo o estado de Mato Grosso do Sul”.

Os policiais civis do estado lutam para deixar a posição de 25º lugar no ranking nacional de salários, apesar de representarem um das polícias mais eficientes do país segundo do Ministério da Justiça.

A diretoria do sindicato espera que uma nova audiência com o governador aconteça ainda esta semana. “Até lá vamos nos manter mobilizados e convocaremos uma nova assembleia para informar o resultado para a categoria”, afirmou o presidente.

Greve geral não está descartada, afirma o presidente do Sinpol (Foto: Sinpol/MS)

Comentários