07/10/2002 16h07 - Atualizado em 07/10/2002 16h07

Enéas Carneiro é o campeão de votos para deputado federal

 

O bordão "meu nome é Eneas" que não deu certo em três eleições presidenciais – 1989, 1994 e 1998 – desta vez levou o candidato Enéas Carneiro, do Prona, a bater um recorde nacional: foi o deputado federal mais votado do país.

Com quase a totalidade das urnas apuradas no estado de São Paulo, Enéas já havia chegado a impressionantes 1.502.000 de votos e é de longe o deputado federal com melhor performance em uma eleição na história do Brasil.

Só para se ter uma idéia da votação expressiva do candidato do Prona (Partido da Reedificação da Ordem Nacional), Enéas abriu uma frente de vantagem de quase um milhão de votos sobre o segundo colocado em São Paulo, o presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), José Dirceu, que deverá chegar a cerca de 600 mil votos.

Barbudo, óculos com lentes grossas do tipo "fundo de garrafa", um jeito apressado e nervoso de falar, quase gritando as palavras, Enéas conquistou mesmo o coração do eleitor paulista, que bem poderia adotar o bordão "meu candidato a deputado federal é Enéas".

Assim como nas campanhas eleitorais anteriores, Enéas teve pouquíssimo tempo disponível no horário gratuito no rádio e na televisão.

Sua militância política é tão atípica que o Tribunal Superior Eleitoral tem, desde já, um problema inusitado para resolver. Com Enéas campeão de votos, o Prona terá direito a seis cadeiras na Câmara dos Deputados. Detalhe: o partido só tinha cinco candidatos ao cargo.

Enéas, que é médico, tem conseguido resultados surpreendentes a cada eleição.

Em 1989, o Prona dispunha de apenas 17 segundos no horário eleitoral gratuito. Foi assim que se originou o bordão "Meu nome é Enéas", um lema inesquecível e que acabou ganhando mais força do que qualquer discurso feito por candidatos de partidos grandes.

Apesar das limitações, Enéas recebeu mais de 360 mil votos e terminou as eleições em décimo segundo lugar entre os 21 candidatos.

Em 1994, um salto: com 68 segundos diários, Enéas conseguiu mais de 4,6 milhões de votos, o que lhe valeu o terceiro lugar, à frente de políticos tradicionais como Leonel Brizola e Orestes Quércia.

Na campanha de 1998, com dois segundos a mais tempo na TV, Enéas passou a explorar mais as suas idéias nacionalistas. Ficou em quarto lugar, atrás de Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Ciro Gomes.

Nascido em uma família pobre no estado do Acre, em 1938, Enéas mudou-se para o Rio de Janeiro aos 20 anos. Estudou Medicina, formou-se cardiologista e, em 1988, finalmente fundou o Prona, que se propunha a "restabelecer a ordem no país".