No período de reprodução das aves Secretaria de Meio Ambiente está protegendo os troncos que já têm ninhos e criando dispositivos artificiais para as araras colocar seus ovos

Com o período de reprodução das araras – entre julho e janeiro – os frequentadores da Lagoa Maior passaram a conviver mais de perto com essas aves.

Ainda que sem intenção de machucar, a proximidade humana, os flashes e barulhos das câmeras fotográficas atrapalham as famílias de arara – podendo, inclusive, levar à morte de filhotes.

Por isso, como forma de preservar as aves, seus filhotes e ovos, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Agronegócio (SEMEA) iniciou proteção nos troncos onde existem esses ninhos e nos próximos meses irá instalar ninhos artificiais no entorno da Lagoa. Conforme o secretário da pasta, Toniel Fernandes, a medida visa proteger as aves adultas e filhotes.

“Os ninhos estão em troncos baixos e a presença das araras tem chamado a atenção das pessoas. Por mais que não haja má intenção, a aproximação humana e o barulho causa estresse nas aves, o que pode até levar a morte. Esses ninhos serão colocados nas árvores no momento oportuno, criando uma opção para as araras em época de postura de ovos”, esclareceu Toniel.

O biólogo da SEMEA, André Figueiredo Villar, pontuou cuidados que as pessoas devem ter para preservar as aves, sem deixar de contemplá-las. “As pessoas devem evitar contato físico e aproximação com os ninhos, justamente porque as araras seguem o instinto de proteger seus filhotes. Nós orientamos que as pessoas não usem flash ao fotografar as aves e evitem barulho, pois gera estresse e agitação da ave. Outra coisa prejudicial é dar comida ou qualquer tipo de alimento a elas”, destacou.

Ninhos artificiais serão instalados no entorno da Lagoa Maior. Fotos: Divulgação
Comentários