12/05/2015 19h48 – Atualizado em 12/05/2015 19h48

As medidas provisórias 664 e 665 tiram direitos de pensionistas e de trabalhadores, como o seguro-desemprego e a pensão integral das viúvas provisórias devem ser analisadas no Senado a partir da semana que vem

Mário Serapicos

O presidente do Senado, Renan Calheiros, recebeu, na tarde desta terça-feira, uma comitiva de sindicalistas liderados pelo deputado Paulo Pereira da Silva, presidente do Solidariedade. Eles discutiram a apreciação das medidas provisórias 664 e 665, que tiram direitos de pensionistas e de trabalhadores, como o seguro-desemprego e a pensão integral das viúvas. Renan afirmou que o governo “tinha que buscar um pacto”.

“O que o governo está fazendo não é um ajuste fiscal. Ele está fazendo com que o cavalo deixe de comer até morrer de fome”, disse o presidente do Senado.

“Renan deixou claro que não é possível fazer ajuste cortando direitos dos trabalhadores”, argumentou Paulinho, que deu ao senador uma camiseta com a frase: “Acorda Dilma”, nela desenhada uma corda de forca.

As duas medidas provisórias devem ser analisadas no Senado a partir da semana que vem. O senador Paulo Paim, do PT, também presente à audiência, garantiu que vai votar contra elas.

Em ato na Câmara, sindicalistas defendem pensões e aposentadorias (Assessoria)

Para Renan, não é possível fazer ajuste fiscal às custas de direitos trabalhistas (Assessoria)

Comentários