11/11/2006 09h46 – Atualizado em 11/11/2006 09h46

Cosmo Presidente Prudente

Os presos em greve de fome no Centro de Readaptação Penitenciária (CRP) de Presidente Bernardes não poderão receber visitas de familiares neste final de semana, segundo informação extra-oficial. A medida, não confirmada pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), foi tomada porque a greve de fome é considerada falta disciplinar. A greve começou na segunda-feira com a adesão de 44 dos 57 sentenciados que cumprem o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), mas nesta sexta-feira prossegue com a participação de 42. Dois presos que também participavam do protesto cumpriram o seu período de internação no RDD e foram transferidos ontem para a Penitenciária Maurício Henrique Guimarães Pereira, a P-II de Presidente Venceslau. Através de familiares e de uma advogada que esteve na unidade, divulgou-se que os presos estariam insatisfeitos com as reformas no interior das celas, determinadas por motivo de segurança. Uma das mudanças foi a instalação de chapas de aço perfuradas nas janelas em substituição às telas metálicas. Para os presos, isso teria prejudicado a ventilação e a iluminação no interior. Um funcionário que atua na Coordenadoria Regional Oeste (Croeste) acredita, porém, que o motivo da indignação está no fato de que a chapa de aço impede a troca de mensagens escritas entre os presos, como ocorria antes da mudança. Segundo esse servidor, antes eles conseguiam arrancar a tela e, com a ajuda de uma caneta e um barbante, jogavam mensagens de uma cela para outra. No novo sistema, a chapa de aço está chumbada diretamente dentro do concreto, tornando praticamente impossível que seja arrancada sem instrumentos adequados. A chapa de aço também torna mais difícil a comunicação feita aos gritos. Nesta sexta-feira, era possível ouvir barulhos dentro da unidade que aparentavam ser de obras. Uma fonte informou que foram instalados exaustores eólicos no pavilhão que dá acesso às celas. A SAP não confirmou a notícia. Benefício Enquanto os presos rejeitam as quatro fartas refeições diárias (café da manhã, almoço, lanche e janta), há quem precise delas. Todos os 42 marmitex desta sexta-feira, que continham arroz à grega, feijão, salada de abobrinha cozida e carne picada à milanesa, além de fruta de sobremesa, foram doados pela diretoria do CRP a uma entidade beneficente de Presidente Prudente que atende dependentes de drogas e álcool. A comida foi levada em um veículo da unidade. O coordenador da Aprev (Associação Prudentina Recuperando Vidas), Jorge Andrade Junqueira, disse que a doação garantiu “uma alimentação digna” para os internos. Ao serem informados, eles agradeceram com orações. Ao longo desta semana, 176 refeições foram jogadas fora diariamente, fato que gerou muita indignação tanto entre funcionários como na comunidade da região. “Sabe o que eles recusaram hoje? Arroz, feijão, carne enrolada, salada e banana. E sabe o que eu comi? Miojo”, disse um funcionário, visivelmente indignado. Um dos grevistas é Marcos Willians Herbas Camacho, apontado como líder da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Ele e os demais presos estão sendo monitorados por uma equipe formada por médicos e enfermeiros. Até ontem, a informação dada pelo médico Caetano Maurício Falcão, que atua na unidade, é que todos apresentavam boas condições de saúde. “Eles estão bem orientados sobre o risco que estão correndo”, advertiu. O médico afirmou que em seu relatório apontou não ter percebido o cheiro de tinta fresca, como reclamaram os presos. Segundo ele, a pintura já tinha secado há mais de 15 dias. O médico não foi localizado nesta sexta-feira. Protesto familiar Uma suposta manifestação que seria realizada nesta sexta-feira por mulheres e parentes de presos, nas imediações do presídio, não aconteceu. Elas deveriam chegar ao local de ônibus, conforme havia apurado o serviço de inteligência da Polícia Militar. Nenhum veículo suspeito se aproximou do complexo ao longo do dia. Veja a íntegra da nota enviada pela assessoria de imprensa da Secretaria de Administração Penitenciária: GREVE DE FOME NO CRP DE PRESIDENTE BERNARDES – 5º DIA A Secretaria de Administração Penitenciária esclarece que 42 presos do Centro de Readaptação Penitenciária de Presidente Bernardes estão participando da greve de fome. A unidade possui ao todo 56 presos. No entanto, a SAP acredita que o possível motivo é a reforma na Unidade, que realizou adaptação e reforço nas celas, com a finalidade de melhorar a segurança do CRP, impedindo a comunicação entre os sentenciados. A SAP não vai se manifestar sobre medidas internas tomadas com relação à greve.

Comentários