11/04/2018 09h58

Congestionamento total foi de quase 30 km nas estradas

Redação

A Polícia Federal Rodoviária (PRF) informou no fim da tarde desta terça-feira (10) que manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) liberaram totalmente o trânsito de veículos nas três rodovias em que bloqueraram como forma de protestar contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no último sábado (7).

Por meio de comunicado, a PRF informou que foram detectadas manifestações na BR-163, altura do km 104, no trevo para Icaraíma, com o bloqueio encerrado às 12h30 .

Outro ponto foi na BR-267, na altura do km 126, no trevo para Nova Andradina, cuja liberação da via aconteceu às 13h30.

Finalmente, outro foco foi na BR-262, altura do km 444, no trevo para Dois Irmãos do Buriti, cuja liberação aconteceu às 14h10.

Os bloqueios tiveram início a partir de 6h da manhã. A PRF instalou um gabinete de crise para intermediar as manifestações. A partir de um gabinete de crise, foram ouvidos os manifestantes e realizados contatos com órgãos como Ministério Público Federal e Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) para tratar das pautas envolvidas no movimento.

Além do efetivo ordinário, o chefe de delegacia responsável por cada área compareceu para coordenar os trabalhos no local.evitando conflitos e desentendimentos entre motoristas e manifestantes, além de realizar sinalização ao final da fila nos locais mais sensíveis ao risco de acidentes.

O congestionamento causado pela interdição foi de 5 quilômetros em cada sentido e atingiram um total de aproximadamente 2 mil pessoas que foram afetadas. “Como se sabe, não existem opções de desvios (como ocorrem em manifestações urbanas). Nem sempre também o retorno é possível, muitas vezes, devido à aglomeração de veículos formada no local”, diz o texto da corporação.

Na nota, a PRF ressalta que interdições em rodovias são potencialmente perigosas, pelos riscos ao final da fila, no momento em que outros veículos se aproximam do ponto bloqueado.

(*) Correio do Estado

Manifestantes durante bloqueio de estardas em Mato Grosso do Sul - Foto: Divulgação/PRF

Comentários