19/09/2017 07h51

Pedreiro é acusado de matar jovem de 21 anos com quem mantinha um relacionamento

Redação

O primeiro caso registrado como feminicídio em Mato Grosso do Sul, a morte da Ísis Caroline da Silva Santos, de 21 anos, está sendo julgado nesta segunda-feira (18), em Ribas do Rio Pardo, a 97 quilômetros de Campo Grande. O acusado é o pedreiro Alex Armindo Anacleto de Souza, com quem, segundo a denúncia do Ministério Público Estadual (MP-MS), a vítima mantinha um relacionamento.

De acordo com o MP-MS, as provas colhidas durante as investigações apontam que o acusado mantinha um relacionamento clandestino e conturbado com a vítima, e que já havia, inclusive, respondido pelo crime de estupro contra ela. A denúncia relata que no dia 1º de junho de 2015, ele a convidou para passar em fim de semana em Água Clara, mas que no caminho, discutiram, diante de um novo relacionamento dela, o que fez que o acusado mudasse o destino da viagem e, em uma estrada vicinal de Ribas do Rio Pardo, a matou asfiquixiada.

Ainda conforme a denúncia, o acusado arrastou o corpo para um córrego próximo e o soltou para que fosse levado pela correnteza e o crime não fosse desvendado. O cadáver acabou sendo encontrado somente cinco dias depois, em avançado estágio de putrefação.

Preso, o acusado negou o crime, dizendo que apenas teria empurrado a vítima, a deixando caída a beira do córrego. No entanto, em razão das provas apuradas na investigação, especialmente do laudo pericial, que demonstrou o estrangulamento, ele foi denunciado por homicídio quadruplamente qualificado por: motivo torpe, asfixia, dissimulação e feminicídio, além de ocultação de cadáver.

Com o recurso em sentido estrito interposto pela defesa negado, o acusado está sendo levado a júri popular nesta segunda-feira. A acusação está sendo feita pelo promotor de Justiça George Zarour Cezar.

(*) G1.Com

Julgamento do primeiro caso de feminicídio registrado em Mato Grosso do Sul é realizado em Ribas do Rio Pardo (Foto: Fabiano Arruda/ TV Morena)

Comentários