Ação social com a participação dos estudantes, além de arrecadar mais de 2 mil gelatinas nessa campanha, alunos escreveram cartinha de Natal para pacientes em tratamento

A perda da irmã, Rosilene de Oliveira, na época com 39 anos, para um câncer em 2009, fez com que Juliana Bastazini, como ajuda da colega Rosângela Santos, dessem início ao projeto solidário “Ação de Amor”, na escola em que atua como professora coordenadora. Desde 2015 junto aos alunos e a comunidade da escola municipal Joaquim Marques de Souza, são arrecadadas milhares de gelatinas que são entregues ao setor de oncologia do Hospital Auxiliadora – Instituto do Câncer -, em Três Lagoas.

A doação das gelatinas é importante porque os pacientes oncológicos fazem o consumo da sobremesa que é um alimento fácil de digerir e contém açúcar e proteínas, fornecendo a quantidade de calorias necessárias durante a recuperação.

Esse ano, apesar de todos os desafios que a pandemia do COVID-19 trouxe, a escola Joaquim Marques não se deixou abater e em parceria com a escola municipal Júlio Fernandes Colino, realizaram a “Ação de Amor” e arrecadaram 2.302 caixinhas de gelatina que já foram entregues ao Instituto do Câncer.

DESAFIOS

Muito além das arrecadações, apesar de todos os desafios, as escolas trabalharam temas como prevenção ao câncer e solidariedade com os alunos nas plataformas online como conteúdo das aulas. Entre os assuntos abordados estavam: as cores das campanhas, simbologia, alimentação saudável, atividade física, empatia, entre outros.

Os alunos também escreveram cartinhas de Natal, mas o destinatário dessa vez não foi o Papai Noel, e sim pacientes oncológicos em tratamento, que receberam palavras de amor e carinho como estímulos à força, alegria e recuperação.

GRATIDÃO

Em cinco anos do projeto “Ação de Amor”, muitos pacientes foram contemplados com as doações e os alunos e a comunidade escolar aprendeu muito com essa troca. “A sementinha da solidariedade foi plantada no coração de cada aluno. Todos nós ganhamos com isso”, frisou Juliana.

Ela lembra também do início do projeto, quando em parceria com Rosângela Santos – que na época era coordenadora na Joaquim Marques -, montaram a ação e começaram os trabalhos. “Na época a gente tinha inclusive alunos, funcionários e pais que estavam passando por momentos delicados na luta contra o câncer. Foi muito importante começar esse movimento solidário.

AGRADECIMENTOS

Juliana deixa os agradecimentos aos diretores da escola Joaquim Marques, Maria Ferreira Sindor e Fabrício Araújo; como também às professoras coordenadoras Ângela Bezerra e Andrea Gonçalves, além dos demais professores, funcionários da escola, pais e alunos. Ela deixa também os agradecimentos aos profissionais da escola parceira, Júlio Colino. À diretora Rosângela e a especialista em educação Elenir Queiroz.

Tão importe quanto, a equipe do projeto agradece também ao médico oncologista Rodrigo Melão, que desde o início aceitou de braços abertos a iniciativa que beneficia os pacientes em tratamento.

(*) Guta Rufino

Comentários