19/06/2017 11h18

Pessoas que mais sofrem com esse clima são aquelas com doenças respiratória e cardíacas

Flávio Veras

Com a chegada do inverno, – que começa daqui há dois, – à umidade relativa do ar é afetada diretamente. Com a falta de chuvas, que é recorrente nesse período, os índices devem cair agravando os problemas respiratórios. Além desse fato, as queimadas durante a estação agravam ainda mais essas enfermidades.

Conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 60% de umidade. Hoje três Lagoas deve registrar 38%, com a temperatura máxima na casa dos 27°, segundo o site Climatempo.

As pessoas que mais sofrem com esse clima são aquelas com doenças respiratória e cardíacas. Os principais sintomas são: dificuldade para respirar, tosse seca, cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta.
É o caso da estudante universitária, Ingryd Queiroz, 22, que têm rinite e bronquite alérgicas desde muito pequena. Para ela, essa é a pior estação do ano. “Às vezes tenho muita dificuldade em respirar, principalmente quando colocam fogo em terrenos perto da minha casa. Moro em local que existem muitos lotes vazios, pois algumas pessoas não têm consciência e acabam cometendo esse tipo de atitude”, lamentou.

Já para amenizar os sintomas ela comentou que, “tento deixar o ambiente dentro da minha casa sempre úmido com o uso de um umidificador. Além disso, tomo a medicação recomendada nos horários certo. Porém, consumo pouca água e, por isso, já levei muitas broncas dos meus médicos, mas vou tentar melhorar neste habito”, projetou.

CUIDADOS

De acordo com o Ministério da Saúde, com a umidade do ar em queda, a necessidade de consumo de líquidos aumenta e a recomendação é que sejam consumidos até quatro litros diários. Como refrigerantes e sucos industrializados contêm níveis elevados de açúcares, o ideal é tomar bastante água. Outras medidas simples podem ser adotadas em casa, como o uso de vaporizadores, umidificadores, toalhas molhadas e baldes com água são indicados para se elevar a umidade nos ambientes.

EVITE QUEIMADAS

Conforme uma nota do 5º Grupamento e Bombeiros Militar de Três Lagoas, A região da cidade possui características naturais de clima e vegetação e até mesmo culturais que favorecem as ocorrências de incêndios. O batalhão já atendeu de janeiro até hoje (19), cerca de 110 atendimentos dessa natureza. Já no ano de 2016 foram atendidas 462 ocorrências. Ou seja, 2017 já registrou 24% desse montante. “Nota-se que essas ocorrências estão aumentando progressivamente. Em janeiro já atendemos 9 ocorrências, 21 em fevereiro, 24 em março, 32 em abril.

E complementou, “pequenos focos não controlados podem se alastrar rapidamente e oferecer risco à segurança de residências, empresas, propriedades rurais e até estradas, devido à diminuição da visibilidade em função da fumaça. Alguns cuidados, mesmo que simples, são de extrema importância, como: – Não queimar lixo nas proximidades de vegetação seca; – Não jogar tocos de cigarro às margens de rodovias, pois podem estar acesos; – Não usar de queimadas para manter terrenos limpos; – Ao perceber um foco de incêndio se alastrando, ligue imediatamente para 193”.

Números de ocorrências vem aumento desde janeiro até agora em 2017. (Arquivo/Perfil News)

Comentários