27/03/2012 07h49 – Atualizado em 27/03/2012 07h49

Da Redação*

Acusado de estuprar e matar Françoise Steffani Silva de Oliveira, 12 anos, na última quinta-feira (22), em Corumbá, Leandro de Oliveira, 20 anos, foi preso no dia seguinte ao crime e confessou a violência contra a menina. De acordo com a delegada Priscila Anuda Quarti Vieira, titular da Delegacia de Atendimento à Infância, Juventude e Idoso (DAIJI), Leandro havia sido detido como suspeito logo após os policiais terem encontrado o corpo.

Segundo o Diário Online, a delegada contou que foi Leandro e a irmã que fizeram a denúncia no final da tarde de quinta-feira, alegando que teriam visto um homem saindo do matagal, onde teria um corpo. Como testemunhas, os dois foram interrogados e, de acordo com a delegada, as informações não eram as mesmas, mas como não havia provas, a dupla foi liberada.

“A princípio, eles disseram que teriam passado pelo local, para ir buscar um medicamento na casa da tia. No dia seguinte, após vários confrontos de informações, a irmã de Leandro confessou que ele era o autor do crime.”, relata a delegada.

No interrogatório do jovem, a delegada disse que a irmã dele havia relatado o que aconteceu e Leandro acabou confessando o estupro. “Ele disse que havia abordado a Steffani, a levado para o matagal e abusado dela”, disse a delegada.

ESTUPRO

Leandro confessou à polícia que há tempos observava Steffani e que na quinta-feira encontrou um momento oportuno para abordá-la. Ele viu a garota quando ela retornava da mercearia próxima à casa da mãe, no bairro Popular Velha, e, sob ameaça, a fez subir na bicicleta dele.

Na rua Gaturama, Leandro arrastou a menina para o matagal e a estuprou. “Ele disse dessa forma: ‘caí para cima dela e a estuprei’”, relatou a delegada. Para ela, Leandro disse que Steffani morreu durante o estupro.

Segundo a delegada, a perícia aponta que a menina foi morta por asfixia. “Não houve marcas de dedos no pescoço, logo, a passagem do ar pode ter sido obstruída pelo antebraço do autor”, conta.

Leandro poderá pegar até 30 anos de prisão, pois ele responderá por estupro qualificado pela morte. Ele vai ser encaminhado ao presídio masculino de Corumbá.

OUTROS CRIMES

Além de várias passagens pela polícia de quando era menor de idade, Leandro respondendo por outra acusação de abuso sexual à enteada, uma criança de 4 anos. O caso foi registrado há cerca de dois anos, porém, de acordo com a delegada, não há evidências que comprovem que ele tenha realizado a conjunção carnal com a criança.

ARREPENDIMENTO

A delegada conta que Leandro relatou que no dia do crime, ele chegou em casa e disse à mãe que tinha visto um corpo próximo ao matagal. Depois de algum tempo, ele chamou a irmã, a ameaçou e a levou até o local.

“Como algumas pessoas viram os dois e poderiam identificá-los, ele resolveu fazer a denúncia à Polícia e dizer que havia visto um suspeito, então, nenhuma evidência se voltaria contra ele”, pontuou Priscila Vieira.

Porém, a delegada disse que durante as investigações a irmã de Leandro se arrependeu e relatou o que havia acontecido, colaborando com as investigações da polícia. “Por conta disso, ela não será indiciada, pois está sendo considerada como testemunha do caso”, explicou Priscila.

(*) Com informações do Diario Online

Comentários