18/04/2018 09h38

Willams Araújo

Reflexo

O governo de Dilma Rousseff foi tão limitado que de certa forma reflete até hoje no mandato tampão de seu ex-companheiro de palanque, o agora presidente Michel Temer (MDB-SP). O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB-MS), por exemplo, credita a “40% de petistas” parte da reprovação de 70% ao desempenho do atual governo, apontada por pesquisa do instituto Datafolha divulgada no começo da semana. Apesar disso, acha que rejeição do governo “já foi maior”, já que em setembro a reprovação estava em 73%.

Liberdade

A bancada do PT na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul protestou na sessão de terça-feira contra a prisão do ex-presidente Lula, ocorrida no último dia 7, acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. “Em seis meses Lula estava julgado e preso. Isso não aconteceu com vários outros. A intenção é impedir o ‘presidente’ de participar das eleições, porque sabem que ele seria eleito. Em debate ontem na Câmara, eu vi a análise de um professor muito interessante, que o que está por trás do golpe é o ódio da classe média pelas políticas de inclusão social”, reagiu o deputado Pedro Kemp.

Impressão digital

Além do aval da Justiça, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) precisa desembolsar mais R$ 38 milhões para concluir a obra do emblemático e problemático Aquário do Pantanal, orçado no governo de André Puccinelli (MDB) por R$ 84 milhões e que na verdade custou quase R$ 300 milhões. Em entrevista à imprensa, o tucano avisou que pode até concluir o empreendimento, mas não irá colocar a sua impressão digital em um projeto cheio de problemas sem que a Justiça homologue um acordo firmado entre governo, MPE-MS e TCE. O tucano concluir até agora 233 obras deixadas inacabadas pelo adversário.

Bullying

O plenário do Senado aprovou na terça (17) o projeto de lei que inclui entre as atribuições das escolas a promoção da cultura da paz e medidas de conscientização, prevenção e combate a diversos tipos de violência, como o bullying. Relatora da matéria, a senadora Simone Tebet (MDB-MS)o projeto complementa a Lei de Combate ao Bullying, a senadora observa que o bullying é “um dos males” enfrentadas atualmente por crianças e adolescentes, porque além do sofrimento causado à vítima, estudos comprovam que a violência também tem efeitos negativos sobre o desempenho escolar dos estudantes.

Aspiração

Depois do ousado interesse por uma vaga no Senado, a direção do PMB (Partido da Mulher Brasileira) deve anunciar sua pré-candidatura ao governo de Mato Grosso do Sul, segundo adiantou o presidente regional do partido, Dorival Betini. Com pouca estrutura, o grupo político pretende enfrentar, além da máquina do governo de Reinaldo Azambuja, candidatos como o ex-governador André Puccinelli (MDB) e o juiz aposentado Odilon de Oliveira (PDT). Simpático ao nome de Jair Bolsonaro à Presidência da República, o PMB tem como principal bandeira de luta a renovação da política estadual.

Comentários