02/07/2019 10h12

Com dois filhos pequenos e sem dinheiro para comida, Ender precisa juntar dinheiro para validar sua licença de motorista no Brasil

Gisele Berto

Fugir da fome. Conseguir emprego. Dar uma vida digna à família. A história de Ender Vasquez, 28, se mistura à de mais de quatro milhões de venezuelanos que, desde o agravamento da crise no país governado por Nicolás Maduro, já deixaram o país vizinho em busca de uma vida melhor.

Pelas ruas de Três Lagoas é possível ver Ender segurando um cartaz. Frequentemente, fica na esquina das avenidas Olinto Mancini e Antonio Trajano. Aos carros que param no semáforo, ele não pede dinheiro nem comida: pede emprego.

Com medo de retaliação em seu país natal, Ender prefere não mostrar o rosto. “Tenho família na Venezuela”, diz, assustado.

Em busca de trabalho, ele esbarra na burocracia: tem experiência como motorista de máquinas pesadas – uma das profissões com mais oportunidades em Três Lagoas – mas precisa validar o documento no Brasil. “Mas me falaram que custa mais de mil reais. Eu preciso de ajuda para tirar a licença aqui”, conta.

Ender está no Mato Grosso do Sul há dois meses. Veio com o amigo Alexander, que é soldador profissional e também carrega um cartaz procurando uma oportunidade pelas esquinas da cidade. Eles chegaram a Três Lagoas há duas semanas. Na Venezuela, estão à espera de Ender a mulher e dois filhos, um de 2 anos e outro de oito meses.

Ao falar sobre seu país de nascimento, ele não economiza elogios. Fala da gasolina a um centavo, das lindas praias de areia branca. Mas fecha a cara quando lembra da realidade atual. “A Venezuela é muito rica e muito bonita. Mas está destruída. Não tem comida, as pessoas passam fome”, conta.

Enquanto não consegue validar sua licença para conduzir máquinas pesadas, Ender busca emprego “do que conseguir”: além de motorista e operador de máquinas, procura uma vaga como ajudante de pedreiro para conseguir se manter na cidade até que consiga o dinheiro necessário para arrumar sua documentação.

Para quem quiser entrar em contato com ele para oferecer ajuda ou um emprego, o telefone é (65) 9650-5178.

Escondendo o rosto com medo de represálias, Ender pede ajuda para validar sua licença de motorista. Foto: Ricardo Ojeda

Comentários