06/04/2015 08h46 – Atualizado em 06/04/2015 08h46

REFÚGIO

O comentário nas rodinhas políticas da Capital é que Delcídio do Amaral (PT) estaria afivelando malas para ir para o PSB do prefeito de Dourados, Murilo Zauith. Há dias, revelamos o interesse de o senador deixar os quadros petistas, principalmente pelo fato de ver seus espaços reduzidos a partir da ascensão do companheiro Zeca do PT, que deve retomar o controlar o partido em Mato Grosso do Sul. Livre das acusações da Operação Lava Jato, Delcídio seria a opção socialista para disputar a prefeitura de Campo Grande, no ano que vem.

TRANSPARÊNCIA

Assembleia Legislava começou a analisar na semana passada projeto que obriga o Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) a divulgar trimestralmente os valores arrecadados com multas de trânsito. A ideia, segundo o ator Cabo Almi (PT), é o órgão publicar os valores arrecadados com multas e a destinação dos recursos no Diário Oficial do Estado, no Portal da Transparência e na sua página da internet.

PÉ DE OUVIDO

Líder do bloco parlamentar dos pequenos partidos (PR, PDT, PTdoB, PSB, DEM e PEN), o deputado estadual Paulo Corrêa (PR) decidiu reunir os parlamentares que integram o grupo todas as quintas-feiras a fim de encaminhar algumas questões e discutir assuntos da pauta de votação da Assembleia. Além de Corrêa, fazem parte do bloco suprapartidário os deputados George Takimoto (PDT), Mara Caseiro (PTdoB), Barbosinha (PSB), Grazielle Machado (PR), Zé Teixeira (DEM), Beto Pereira (PDT), Felipe Orro (PDT), Márcio Fernandes (PTdoB) e Lídio Lopes (PEN).

CRISE

A coisa está tão feia nos municípios por conta da crise financeira do País que até a prefeitura de Campo Grande foi obrigada a adotar medida de austeridade como forma de economizar recursos. Segundo o prefeito Gilmar Olarte (sem partido), repasse do ICMS, uma das principais fontes de renda do município, será menor em 2015. No acumulado de 2013/2014 e 2015, a perda de receita deve chegar a R$ 140 milhões.

QUEDA LIVRE

De acordo com a prefeitura da Capital, a receita de ISS (Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza) teve queda na previsão inicial, indo de R$ 324.300,00 para R$ 298.356.017,00, o que não é muito bom para quem tem compromisso em investir em vários setores da administração pública. Em relação ao FPM, a previsão inicial do repasse era de R$ 156 milhões, mas com a nova perspectiva do cenário econômico nacional, a projeção atual é de R$ 145 milhões.

Comentários