28/02/2019 16h11

Relatório mostrou recursos investidos, principais ações, procedimentos e indicadores

Redação

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio de seu Departamento de Planejamento, apresentou relatório de investimentos e principais atividades, relativas ao 3º quadrimestre de 2019.

A apresentação em Audiência Pública foi na manhã desta quinta-feira (28), no recinto do Plenarinho da Câmara Municipal, logo após a Audiência Pública de Prestação de Contas da Prefeitura de Três Lagoas, relativa ao mesmo período de 2018, apresentada pela Secretaria Municipal de Receita e Controle (SEFIRC), no mesmo local

A prestação de contas, em cumprimento à Lei Complementar nº141/2012, a cargo da enfermeira Thais Emiliana Sales da Silva, diretora de Planejamento da SMS, contou com a presença da secretária de Saúde, Angelina Zuque, acompanhada da maioria dos diretores e diretoras de Saúde e coordenadores e coordenadoras dos variados setores da rede pública de Saúde de Três Lagoas.

“Esta é uma importante oportunidade de todos saberem o que a gente está fazendo, porque, infelizmente, a SMS é mais conhecida como a Secretaria de doenças e não de Saúde, como ela realmente é”, comentou Angelina.
Na gestão do prefeito de Três Lagoas, Angelo Guerreiro, como foi exposto na Audiência Pública, em 2018, foram investidos 12,33% a mais de recursos do que o previsto na Constituição, que é de investimento mínimo de 15% dos recursos próprios. Ou seja, foram investidos na Saúde mais de R$ 105,6 milhões, o equivalente a 27,98% do total de recursos.

INDICADORES

Como destacou a enfermeira Thais, no relatório apresentado, “foram cumpridos indicadores que, há anos, não se conseguia cumprir em Três Lagoas”, disse.

Entre as ações de 2018 da SMS, mereceram destaque a ampliação e melhorias na Assistência Farmacêutica, com aquisição de mais medicamentos e reabertura de Farmácias nas Unidades de Saúde.

Quanto à vacinação, “houve avanços”, mas há necessidade de maior conscientização da população devido ao movimento na contramão, forte nas redes sociais e contrárias às vacinas. “Com isso, doenças que estavam sob controle voltaram a registrar surtos em várias localidades do Brasil”, observou Thais.

Um outro fator que influenciou na melhora do cumprimento de indicadores foi reduzir a demanda de espera por exames de mamografia, “praticamente zerada e agora temos uma demanda livre, ou seja, a paciente sai da Unidade de Saúde com seu exame já agendado para determinado dia e hora”, comentou Thais. Confira abaixo os slides da apresentação.

Comentários