25/04/2019 11h09

Junto dos Estados que compõe o bloco 5, a equipe da Iagro apresenta nesta quinta (25) as ações realizadas para cumprimento do plano

Portal do MS

A equipe da Iagro está desde ontem (24.4) em Curitiba (PR), no segundo encontro dos Estados que compõe o Bloco 5 (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso), dentro do Plano Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA).

Na oportunidade, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) aprovou a solicitação do Paraná em antecipar a retirada da vacinação contra febre aftosa para maio de 2019. De acordo com o calendário do PNEFA, a última etapa de imunização do rebanho bovino e bubalino do bloco 5, grupo que o estado integra, seria apenas em maio de 2020.

Segundo Luciano Chiochetta, diretor presidente da Iagro, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) apresentou as ações realizadas no estado, cumprindo o cronograma e as exigências propostas pelo Ministério e assim obteve aprovação do Ministério: “Como esta é a última campanha do Paraná, a partir de setembro aquele Estado já não poderá receber animais vacinados”, lembrou.

Com essa decisão, o Paraná poderá solicitar em 2020, a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), o status de livre de febre aftosa sem vacinação. A coordenadora de Produção Animal da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Lilian Figueiredo, participou da reunião e afirmou que ficou clara a competência do Paraná em prosseguir com a retirada da vacina: “Todos os elos da cadeia, tanto do setor público quanto do setor privado, se mostraram confiantes para esse novo ciclo”.

Lilian informou que diferente das agências e serviços dos outros estados, a Adapar não depende de orçamento público, logo demonstrou possuir recursos necessários para seguir com o plano proposto pelo governo.

A comitiva de Mato Grosso do Sul, composta pelo Diretor Presidente Luciano Chiochetta, o gerente de Defesa Sanitária Animal, Rubens de Castro Rondon, a Chefe da Divisão de Defesa Sanitária Animal Marcia Rabelo, o coordenador do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção de Febre Aftosa – PNEFA, o fiscal estadual agropecuário e médico veterinário, Fernando Endrigo Ramos Garcia e a Coordenadora do Núcleo de Epidemiologia Veterinária, Giuliana da Fonte Nogueira Avelino Duarte apresenta, nesta quinta-feira, as atividades realizadas no Estado, seguindo o cronograma do plano, onde a retirada da vacinação acontece em 2021 e a mudança de status para ‘livre de febre aftosa sem vacinação’ acontece em 2023.

Agricultura Familiar (Semagro), com Assessoria da CNA.

Comentários