25/09/2017 08h43

Um dos destaques que somaram à antecipação do início das operações foi registrado na área de Distribuição de Vapor, durante a fase de testes

Redação

A nova linha da Fibria em Três Lagoas (MS) traz uma série de inovações na construção, operação e processos industriais e florestais. Um dos destaques que somaram à antecipação do início das operações foi registrado na área de Distribuição de Vapor, durante a fase de testes. Por meio de um planejamento estratégico e em busca da excelência operacional, a Fibria antecipou a partida das turbinas da área de distribuição de vapor, responsável por gerar energia. Isso foi possível devido à utilização de vapor produzido na primeira fábrica, antes mesmo da liberação de vapor pela Caldeira de Recuperação, realizando uma limpeza preliminar das linhas de vapor para as turbinas.

Na vanguarda da estratégia de testes das turbinas a vapor para geração de energia elétrica

A decisão de direcionar o vapor da fábrica existente, para a nova fábrica por uma tubulação metálica e um conjunto de válvulas interligando os coletores de alta pressão das duas fábricas, possibilitou os testes com maior flexibilidade utilizando vapor da linha existente nos novos equipamentos e permitiu ajustar de forma antecipada o processo produtivo. Até então, não havia registro da utilização desse recurso dessa forma em outros empreendimentos, a Fibria foi a pioneira. A iniciativa resultou na redução de tempo e custos envolvidos no processo.

Você Sabia?

A geração de energia na Fibria é baseada em uma matriz energética sustentável proveniente de dois processos. O primeiro consiste na queima das cascas de eucalipto na caldeira de biomassa, produzindo vapor que aciona turbinas e gera energia. No segundo, a madeira picada é cozida no digestor, separando os componentes lignina (substância que une as fibras da madeira) e a celulose, resultando no licor negro, que é queimado na caldeira de recuperação e gera vapor e energia.

(*) Assessoria Fibria

A geração de energia na Fibria é baseada em uma matriz energética sustentável proveniente de dois processos (Foto/Assessoria)

Comentários