31/01/2012 09h51 – Atualizado em 31/01/2012 09h51

Curso de pintor do Ação Fiems atrai mais mulheres do que homens

Elas buscam na construção civil uma nova oportunidade para ingressar no mercado de trabalho

Fiems

Cada vez mais as mulheres estão conquistando fatias do mercado de trabalho que antes eram preenchidas somente por homens e um exemplo disso é a procura delas pelo curso de pintor de obras oferecido pelo Senai no âmbito do Programa Ação Fiems Campo Grande, que leva cursos gratuitos de qualificação até os moradores da periferia da cidade. Na turma iniciada neste mês de janeiro na Associação de Moradores do Bairro Aero Rancho Setor 2, dos 10 alunos matriculados, 7 são mulheres, que comparecem sem falta de segunda à sexta-feira, das 7 às 11 horas.

NOVAS EXPECTATIVAS

Esse é o caso da aluna Maria de Lourdes Lima Silva, 47 anos, que trabalha como cabeleireira no período da tarde e à noite como babá. “Conhecimento ninguém tira da gente. É uma profissão a mais que estou aprendendo e isso vai abrir novas portas para mim”, disse. Ela conta que com o término do curso quer aplicar o aprendizado na reforma do salão de beleza, decorando as paredes com novas cores e texturas. “Esse curso será mais uma alternativa de renda”, pontuou.

NOVA PROFISSÃO

Para a aluna Ana Maria Viana, 37 anos, o desemprego e a busca por melhor remuneração a fizeram optar por uma nova profissão. “As mulheres estão procurando coisas novas e, em alguns mercados, estamos nos sobressaindo muito mais do que os homens. Acredito que nessa área da construção civil poderei descobrir uma nova paixão e ter a oportunidade de obter melhores salários”, avaliou.

CRESCIMENTO PROFISSIONAL

A aluna Marinézia Avalos da Silva, 53 anos, também vê no curso de pintor de obras a oportunidade de melhorar de vida. “Gostei da ideia de me qualificar em algo diferente e tenho certeza que as mulheres já conquistaram mais um espaço no mercado de trabalho”, disse. O instrutor do Senai, Marcos Vinicius de Andrade, reforça que hoje as empresas de construção civil preferem as mulheres nos serviços de acabamento e pintura.

MULHERES NA CONSTRUÇÃO CIVIL

“As mulheres são mais cuidadosas e caprichosas e isso já foi comprovado nesses empreendimentos que estão saindo em Campo Grande, onde boa parte dos empregados que fazem o acabamento é composta por mulheres”, destacou Marcos de Andrade. Ele informa ainda que os alunos do curso de pintor de obras recebem nas primeiras 28 horas a parte teórica e após isso é que iniciam a parte prática. “Nos primeiros dias ensinamos a planejar, desenvolver um orçamento e quantificar os materiais utilizados, além de mostrar por meio de vídeos a importância em utilizar os equipamentos corretos durante o trabalho, visando à segurança do trabalhador”, explicou.

O PROGRAMA

Após beneficiar 2.832 moradores de 18 regiões de Campo Grande ao longo do ano passado com cursos gratuitos de qualificação profissional do Sesi e Senai, o Programa Ação Fiems foi retomado na segunda quinzena deste mês de janeiro com a abertura de novas turmas dos cursos de costura industrial, eletricista predial e pintor de obras junto a 406 moradores dos bairros Aero Rancho II, III e IV, Novos Estados, Nova Bahia, Nova Lima, Nhá-Nhá e Coophavila II.

FIEMS

Segundo o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o saldo positivo obtido no ano passado pelo Programa nos bairros da periferia de Campo Grande demonstra o sucesso dessa iniciativa inovadora e transformadora. “Estamos enfrentando o problema da falta de mão de obra qualificada e para este ano vamos ampliar nosso atendimento, elevando o número de moradores encaminhados ao mercado de trabalho”, destacou.

AÇÃO FIEMS

Neste reinício de atividades, o Ação Fiems já tem estruturadas 15 turmas do curso de costura industrial, totalizando 316 alunos, distribuídos nos períodos matutino, vespertino e noturno, com carga horária de 226 horas, enquanto o curso de eletricista predial conta com cinco turmas com 80 alunos, nos períodos matutino e vespertino, também com carga horária de 226 horas, e o curso de pintor de obras tem uma turma com 10 alunos.

CAPITAL

No Bairro Coophavila II, por exemplo, 107 moradores estão fazendo os cursos, sendo 70 no de costura industrial distribuídos em três turmas nos períodos matutino, vespertino e noturno e 32 no curso de eletricista predial divididos em duas turmas nos períodos matutino e vespertino. Já os outros 299 moradores restantes estão fazendo os cursos de costura industrial, eletricista predial e pintor de obras nos três períodos nos bairros Aero Rancho II, III e IV, Novos Estados, Nova Bahia, Nova Lima e Nhá-Nhá.

Para Agripino Crispino, 48 anos, aluno do curso de costura industrial no Bairro Coophavila II, a iniciativa é a oportunidade de retornar ao mercado de trabalho. “Além de adquirir mais conhecimento, acredito que o curso vai me abrir novas portas, pois é uma área que está em constante crescimento e precisa de profissionais capacitados”, disse. A dona de casa Dejanira Borges Leite, 54 anos, também moradora do Bairro Coophavila, explica que o curso de costura industrial sempre foi um sonho e que agora está se tornando realidade. “Minha mãe era costureira, cresci a vendo trabalhar na área, quando me tornei moça quis seguir os passos dela, mas nunca tive condições de pagar um curso de qualidade”, contou.

As mulheres estão buscando novas alternativas profissionais 
Fato: Fiems

Instrutor e alunos do curso de pintura da Ação Fiems
Foto: Fiems

Comentários