03/06/2015 15h26 – Atualizado em 03/06/2015 15h26

Já receberam o Selo Ambiental as indústrias Santa Luzia, Energética Santa Helena, Inflex, International Paper, Vetorial, Usina Sonora, Metap Repram, Semalo e Coca-Cola.

Assessoria

O Senai entrega, no próximo dia 13 de junho, no EcoSesi Observatório Socioambiental, em Bonito (MS), o Selo Ambiental do PSE (Programa Senai de Ecoeficiência) para a indústria sucroenergética da Bunge Brasil em Ponta Porã (MS). Até o momento, dez empresas já receberam o Selo Ambiental do Senai, que atesta e classifica a eficiência ambiental das indústrias e traz aumento do percentual de benefício fiscal.

Já receberam o Selo Ambiental as indústrias Santa Luzia, Energética Santa Helena, Inflex, International Paper, Vetorial, Usina Sonora, Metap Repram, Semalo e Coca-Cola. Para o diretor-técnico do Senai, Dax Goulart, esse é um momento de conquista para a indústria, que demonstra o interesse em avançar e aprimorar o modelo de gestão ambiental e o plano de sustentabilidade. “O intuito do Programa é incentivar que as indústrias busquem cada vez mais a sustentabilidade e o Senai, além de ser reconhecido como um agente promotor de melhores práticas, também já é referência para quem busca ter uma maior eficiência ambiental na gestão dos seus recursos naturais”, afirmou.

O SELO

Os selos ambientais do Senai servem para classificar a eficiência ambiental das indústrias estaduais de acordo com os parâmetros pré-estabelecidos no Decreto Estadual nº 13.606, de 25 de abril de 2013, que prorrogam até 2028 os incentivos fiscais para o setor industrial sul-mato-grossense, permitindo a ampliação, em até 5%, do percentual do benefício fiscal já concedido mediante à efetividade do plano técnico de sustentabilidade ambiental das empresas.

O Senai, em parceria com o EcoSesi Bonito, desenvolve o Programa de Ecoeficiência, que dá suporte aos selos ambientais destinados às indústrias do Estado, sendo desenvolvido em 7 etapas: adesão, habilitação, definição de metas, implementação da metodologia do PSE, processo de auditoria, avaliação ambiental e emissão de selo ambiental. Essas 7 etapas são relevantes para a compreensão de todo o processo, desde a habilitação da empresa até a emissão do selo.

Porém, é prerrogativa do Programa a análise prévia do sistema de gestão ambiental existente na empresa. Por meio da pontuação de desempenho ambiental, o PSE vai conceder 5 selos ambientais (verde, azul, laranja, marrom e branco), sendo que cada um tem sua equivalência entre a pontuação e o percentual do incentivo fiscal concedido.

O Selo Verde tem conceito entre 81 a 100 pontos e concede à indústria 5% a mais de incentivo fiscal, enquanto Selo Azul tem conceito entre 61 a 80 pontos e incentivo fiscal de 4% a mais, o Selo Laranja tem conceito entre 41 e 60 pontos e 3% a mais de incentivo fiscal, o Selo Marrom tem conceito entre 21 e 40 pontos e incentivo fiscal de mais 2% e o Selo Branco tem conceito entre 1 a 20 pontos e incentivo fiscal de mais 1%.

A pontuação poderá ser revista a qualquer tempo, na vigência do benefício fiscal ou na vigência do prazo estabelecido para execução do processo de auditoria, adequando-se a um novo resultado, aumentando ou diminuindo o nível do selo no limite entre 1% e 5%. Caso haja uma infração ou descumprimento, mesmo que parcial, em relação à Legislação Ambiental e ao Licenciamento Ambiental, a indústria perderá o selo ambiental concedido.

Serviço – Mais informações sobre o PSE podem ser obtidas por meio do telefone (67) 3029-9023

(*) FIEMS

Selo ambiental do senai. (Foto: Assessoria)

Comentários