18/02/2012 10h24 – Atualizado em 18/02/2012 10h24

Campo Grande News

Com sorriso aberto e simpatia. Foi desse modo que Michel Teló atendeu à imprensa nos primeiros minutos da madrugada deste sábado, assim que chegou a Paranaíba. Que o sul-mato-grossense de coração é querido, é, mas as respostas um tanto quanto ensaiadas demonstram o quão bem orientado o músico está pela sua assessoria. Delicadamente escorregadio ele atendeu um a um dos três veículos de comunicação que o aguardavam.

Michel teve contratempos para a chegada, rotina na vida de qualquer artista. Primeiro viria de avião e pousaria direto em Paranaíba, mas devido a imprevistos, pousou em São José do Rio Preto (SP) e de lá seguiu de carro até o hotel e posteriormente o Parque de Exposições, onde centenas o aguardavam para um show que prometia.

Logo de cara a assessoria de Michel informou: as perguntas só poderiam ser relacionadas ao âmbito profissional. Houve o pedido explícito de que os jornalistas evitassem falar sobre o fim do casamento com a dentista Ana Carolina Lago. “Ele ainda está abalado”, respondeu um dos assessores.

O Lado B pegou carona com a entrevista anterior à vez da equipe e conseguiu flagrar o sorriso sem graça de Michel ao ser questionado sobre o casamento. O jornalista, que perguntou só disse “e o…” e apontou para o dedo onde a aliança é colocada. A resposta não veio. Ficou no ar. “Isso aí, isso aí…” disse Michel, com um sorriso.

A pergunta teve de ficar por isso mesmo. Em seguida, a assessoria interferiu pedindo que só se falasse do profissional. O que Michel tem de muito e vem demonstrando país afora.

Neste dia 17 de fevereiro o Estado recebeu Michel Teló no palco pela primeira vez desde o “boom” em sua carreira. Subir no trio e cantar para milhares de pessoas pode não mexer mais com o músico como antes. Com os holofotes ele parece estar acostumado, afinal o sucesso que vem colhendo não foi plantado agora.

Mas ele ainda demonstra o gosto pela terra onde vive desde pequeno, depois da família de mudar do Paraná para Mato Grosso do Sul, e onde começou a carreira. “Eu sou apaixonado pelo Mato Grosso do Sul. Onde passo tenho orgulho de falar. Me sinto em casa aqui e muito feliz”, descreveu sobre a sensação de voltar à terra que o acolhe como sendo filho.

De mala e cuia para São Paulo, o cantor justificou que tudo não passa de questão de logística. E garante: a mudança não deve afastá-lo das raízes. “Acho que esse é o momento de me dedicar muito ao trabalho e eu me dedico muito. Fui para São Paulo pela logística, ano passado, morando em Campo Grande só vim para casa cinco vezes”, relata.

“Mas eu sou apaixonado pelo Mato Grosso do Sul, meus pais estão aqui”, reforça.

Depois do hit “Ai se eu te pego”, que ganhou as mais variadas versões nos mais inimagináveis idiomas e cenários, Michel sabe que vai ser difícil emplacar outro sucesso como este.

“Ai se eu te pego já é hors concours, historicamente isso aconteceu muito pouco na música. Humilde residência é a terceira música mais tocada e mostra a continuidade a esse trabalho”, explica.

Quanto à decisão da Justiça, publicada no último dia 16, dando a ele a indenização por parte do grupo Cavaleiros do Forró, que em 2009 gravou a música “Ei, psiu! Beijo, me liga” sem a autorização do cantor, Michel argumentou que estava num momento muito importante da carreira à época da gravação e que sempre pediu autorização para gravar músicas.

“Eu pedi autorização da Ai se eu te pego. Tudo a gente tem que ter autorização. Daí a gente entrou com processo para eles retirarem”, diz.

O músico não comentou o processo que move contra os ex-sócios do Tradição, como noticia hoje a coluna Jogo Aberto. Disse não estar a par do andamento.

Sobre o episódio que foi notícia nesta sexta-feira, da morte de um familiar, Teló demonstrou tristeza e disse o quanto a família sentia a perda. “A sensação é do coração um pouco triste. Ele gostava de me ver tocar sanfona”.

Ao final da entrevista, a pergunta que não poderia faltar, sobre a expectativa do show que viria logo a seguir. “Espero bastante energia positiva e que a turma cante”, disse, com o erro característico do sotaque local que não perde.

Michel Teló, no status de músico onde chegou, passou a apadrinhar duplas que prometem sucesso. Sobre o assunto ele desconversou ao ser indagado sobre próximos projetos e ressaltou a presença da dupla Bruninho e Davi, que tocou após a apresentação dele em Paranaíba.

“O que eles tocam hoje é irreverente. É mais uma galera que vai tentar levar o nome de Mato Grosso do Sul para fora e já está levando, eles estão fazendo sucesso fora do Estado”, comenta.

A despedida foi simpaticíssima. Ele agradeceu o carinho e mostrou que mesmo com todo o sucesso, e mesmo com o treinanmento de artista famoso, ainda manifesta-se modesto.

De sorriso aberto ele atendeu um a um da imprensa. Questionado sobre o casamento, ou melhor, separação, com este mesmo sorriso ele desconversou
Foto: Campo Grande News

No trio elétrico só dava ele. Um apaixonado pelo Estado que mesmo de mudança promete não deixar as raízes
Foto: Campo Grande News

Comentários