10/05/2013 09h20 – Atualizado em 10/05/2013 09h20

O workshop será realizado durante Caça Talentos Expo, onde a entidade também está com estande oferecendo serviços aos visitantes

Da Redação

A forma como as empresas podem estruturar a inclusão de pessoas com deficiência no ambiente de trabalho, transformações do mercado, empregabilidade e o desempenho do papel profissional serão alguns dos temas debatidos pelo Sesi nesta sexta-feira (10), às 13 horas, durante a Feira Caça Talentos Expo, que é realizada pelo IEL no Centro de Convenções e Exposições Albano Franco, em Campo Grande (MS). Os assuntos estão incluídos na programação do Workshop Inclusão de PcDs (Pessoas com Deficiências) no Mercado de Trabalho e integram as ações do Sesi na Feira, onde a entidade montou um estande com serviços de saúde e lazer.

Segundo o superintendente do Sesi, Michael Gorski, durante o workshop será possível detalhar como será prestada a assessoraria para as empresas sobre a implantação e a prática dos preceitos da responsabilidade social empresarial por meio da valorização da diversidade e da promoção da inclusão. “O Programa não busca apenas atender uma demanda legal, mas sim aumentar a colaboração e a sinergia entre as equipes e consolidar as relações de trabalho, transformando o ambiente corporativo em um lugar de oportunidades e valorização da diversidade. Hoje, não basta somente contratar uma pessoa com deficiência, as empresas têm de oferecer possibilidades para que esse trabalhador possa desenvolver seu potencial, permanecer no ambiente de trabalho e crescer profissionalmente, atendendo aos critérios de desempenho”, declarou.

Ainda segundo Michael Gorski, o Sesi tem como foco atender as indústrias auxiliando-as em suas obrigações legais, como a necessidade das reservas de vagas de cotas para as pessoas com algum tipo de deficiência. “O artigo 93 da Lei Federal nº 8.213, de 24 de julho de 1991, estabelece que empresas com até 200 funcionários são obrigadas a destinar 2% dos cargos a pessoas com deficiência, enquanto para aquelas com até 500 funcionários esse percentual sobe para 3%, de 501 a 1.000 funcionários o índice chega a 4% e para aquelas com mais de 1.001 funcionários a determinação é de reservar 5% dos cargos. Nesse sentido, o PcD do Sesi tem como meta a inserção de 1,5 mil pessoas no mercado de trabalho ao longo deste ano em Mato Grosso do Sul”, informou.

PROGRAMAÇÃO

Ainda durante o workshop, que será realizado na sexta-feira (10/05) às 13 horas, o Sesi assinará o termo de compromisso com as indústrias que vão aderir ao Programa e terá uma palestra com o desembargador do Trabalho Ricardo Tadeu Marques da Fonseca, do TRT/PR, sobre o tema “O Desenvolvimento Profissional das Pessoas com Deficiência frente às Oportunidades nos Ambientes Corporativos Industriais”. Ele vai abordar os aspectos da formação profissional da pessoa com deficiência no direito do trabalho, a importância da indústria na qualificação da PcD e a responsabilidade social industrial com foco nas oportunidades de mercado.

Na programação estão previstas também orientações referentes à fiscalização realizada pela SRTE/MS (Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Estado), que serão explicadas pelo chefe de fiscalização da lei de cotas para PcDs da Superintendência, Wallace Farias Pacheco. Outra questão que também terá destaque será a transformação que se espera do Ano Ibero Americano para a inclusão das PcD no Mercado de Trabalho, ministrada pelo superintendente-regional do Trabalho e Emprego no Estado, Anízio Pereira Tiago. Já o jornalista Rafael Bonfim fará palestra sobre o tema “As perguntas que fiz depois de 30 anos como pessoa com deficiência”, quando abordará os problemas que enfrentou por ser paraplégico desde os primeiros dias de vida.

Rafael Bonfim discorrerá sobre as três décadas convivendo com a sua deficiência e como essa condição moldou toda a sua forma de ver e estar no mundo. “Foi com o projeto de história em quadrinhos Super Normais, que traz tirinhas com personagens reais e retratam diferentes experiências, que resolvi relatar as minhas memórias vivendo em Curitiba (PR). Por meio dessa história em quadrinhos, abordo a questão da deficiência física de uma maneira diferente e levando ao público uma visão bem humorada sobre a inclusão da pessoa com deficiência”, informou.

(*) Com informações de Assecom Sesi

A forma como as empresas podem estruturar a inclusão de pessoas com deficiência no ambiente de trabalho será um dos temas debatidos pelo Sesi (Foto: Divulgação/Assecom)

Comentários