03/04/2014 17h42 – Atualizado em 03/04/2014 17h42

Números que seguem na esteira da própria melhoria de renda da população. Em 2007, a renda familiar anual no Estado era de R$ 12.234,00 e saltou a R$ 19.875,45 em 2011

Da Redação

Principal gerador de empregos formais em Mato Grosso do Sul, o setor terciário foi responsável pela criação de 105.714 novos postos formais na economia estadual nos últimos sete anos, o que significa que desde janeiro de 2007 em média 41 novas vagas abertas por dia.

“Mesmo com alguns períodos de turbulência, os números mostram que tivemos um fortalecimento do comércio e serviços, com crescimento de 25% no número de empresas constituídas e ao mesmo tempo acréscimo de 56% nos empregos gerados”, avalia o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso do Sul (Fecomércio MS), Edison Araújo.

Números que seguem na esteira da própria melhoria de renda da população. Em 2007, a renda familiar anual no Estado era de R$ 12.234,00 e saltou a R$ 19.875,45 em 2011. “Nosso setor funciona como um termômetro da economia. Se a renda da população melhora, comércio e serviços também prosperam”, avalia compara Edison.

O setor responde por 56% do Produto Interno Bruto Estadual, que para este ano de 2014 a perspectiva é de R$ 38,2 bilhões. Há sete anos, a participação das atividades do comércio e serviços era de 15,8 bilhões o PIB.

Os dados integram a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, e também têm como fonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Secretaria de Meio Ambiente, do Planejamento, Ciência e Tecnologia (SEMAC).

(*) Com informações de Assecom Senac

Comentários