05/03/2012 08h26 – Atualizado em 05/03/2012 08h26

Alguns presidentes de sindicatos de MS falam sobre a greve nacional em entrevista a assessoria de comunicação da FETEMS.

Assessoria de Comunicação

Os SIMTED’s (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), filiados a FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), das maiores cidades do Estado, Campo Grande, Dourados, Três Lagos e Ponta Porã, estão mobilizados e prontos para tomar as ruas dos seus municípios e da capital, na paralisação nacional dos dias 14, 15 e 16 deste mês.

Para o presidente da FETEMS, Roberto Magno Botareli Cesar, é de extrema importância à união da categoria para que a mobilização da paralisação nacional atinja a meta de parar mais de 80% da educação pública do Estado. “Vendo os nossos sindicatos de base mobilizados e na defesa das bandeiras de luta, enquanto Federação, ficamos mais fortalecidos para tomar as ruas da capital e apoiar as atividades nos municípios”, afirma.

De acordo com o presidente da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), Geraldo Alves Gonçalves, a decisão de como será a adesão dos professores de Campo Grande a greve nacional, será nesta sexta-feira (2), em uma Assembleia Geral, na sede do sindicato. “Nós, trabalhadores em educação de Mato Grosso do Sul, temos motivos para parar a educação pública e nos mobilizar para esta greve nacional. A ACP está debatendo com os seus filiados como será a nossa agenda na paralisação e nesta sexta-feira já saberemos como vamos aderir à greve e lutar por melhorias na educação pública de MS”, disse.

Já o presidente do SIMTED de Dourados, João Vanderley de Azevedo, informou que a agenda da greve nacional já está pronta no município e no dia 14 eles irão realizar uma passeata, no dia 15 participam das atividades em Campo Grande e no dia 16 realizarão uma audiência pública sobre o PNE (Plano Nacional de Educação). “Queremos parar mais de 80% da rede pública de Dourados. Temos que nos valorizar e exigirmos que a educação seja valorizada, não só na questão salarial, mas também estrutural e na qualidade do trabalho, por isso estamos na luta para que os trabalhadores em educação parem”, ressalta.

Segundo a presidente do SIMTED de Três Lagoas, Maria Diogo, mais de 90% da rede pública de ensino do município irá parar e realizar atividades como panfletagem, participar da passeata em Campo Grande com três ônibus e uma audiência pública sobre o PNE (Plano Nacional de Educação). “Estamos nos organizando e com certeza vamos mostrar a força dos trabalhadores em educação de Três Lagoas, com muita luta conquistamos 1/3 de hora-atividade para a rede municipal de ensino e agora queremos isso em nível estadual, além de questões como a implantação do PNE, mas recursos para educação e cumprimento integral da Lei do Piso”, fala.

A presidente do SIMTED de Ponta Porã, Denize Silva de Oliveira, disse que o sindicato irá puxar uma passeata na manhã do dia 14 e no período da tarde irá realizar uma audiência pública para debater a carreira, no dia 15 os trabalhadores em educação de Ponta Porã estarão em Campo Grande para as atividades da FETEMS e no dia 16 também realizarão um debate sobre o PNE com debatedores da Universidade Federal e representantes do CONAE (Conferência Nacional de Educação). “A luta por uma educação pública de qualidade, que respeite os direitos dos trabalhadores em educação, depende de nós, temos que nos mobilizar e pressionar do poder público a valorização profissional que merecemos”, conclui.

Comentários