23/04/2014 08h58 – Atualizado em 23/04/2014 08h58

Há algum tempo a vizinhança vem reclamando do problema, mas a solução – limpeza do passeio público – não é colocada em prática

Léo Lima

Um problema com solução simples, questão de roçada e uma boa vassourada, vem se verificando há algum tempo em redor da Escola Estadual Edwards Correa e Souza, no bairro Interlagos: a sujeira e touceiras de capim, além da presença de galhos e folhas de árvores, tomam conta do passeio público.

Tal fato prejudica o perfeito tráfego de pedestres e traz ainda o problema da proliferação de insetos que transmitem doenças.

A vizinhança manifesta sua preocupação, reclamando da situação de descaso por parte das autoridades que deveriam tomar providências. “Moro há anos aqui e até agora poucas vezes vi alguém sequer varrer a calçada”, comenta uma moradora da rua Bom Jesus da Lapa, que reside em frente à Biblioteca Padrão conjugada ao referido estabelecimento de ensino, mas prefere não ser identificada. “Tenho filho estudando aí”, segreda ela, com receio de retaliações.

Em Três Lagoas, são vários os prédios públicos que estão relegados ao desleixo. Aliás, não é somente por culpa do Poder público, mas também pelo desrespeito e descaso de muitos inconsequentes cidadãos, que teimam em não atender ao que determina o Código de Posturas do Município com relação à preservação do meio ambiente, do aspecto urbanístico e outras normas. É comum o transeunte ter dificuldade de locomoção ao transitar por calçadas, com tráfego emperrado por entulhos, desníveis e matagal.

“E a gente tem que pagar altos impostos para não ter o conforto que merecemos”, conclui outro morador do Interlagos, indignado com o estado da escola Edwards.

Calçada suja que circunda a biblioteca e a escola Edwards Correa, no bairro Interlagos (Foto: Léo Lima)

Comentários