09/01/2003 08h24 – Atualizado em 09/01/2003 08h24

No último mês da atual legislatura, a direção da Câmara está dando posse a 40 deputados que vão cumprir apenas um mês de mandato, vão receber salários e outras benesses, mas não vão trabalhar. Eles só irão a Brasília para tomar posse do curtíssimo mandato. O Congresso está em recesso até o início da legislatura 2003-2006, em fevereiro.

Os privilegiados são os suplentes de deputados que viraram governadores, ministros e secretários estaduais dos governos que tomaram posse nesse início do ano. Até ontem, 40 suplentes assumiram mandatos. A legislatura acaba em 31 de janeiro. Os novos deputados vão receber o salário de R$ 8 mil e terão direito a verba de gabinete, em torno de R$ 25 mil, além de passagens aéreas para seus estados de origem, e despesas de moradia.

Desde o início de janeiro, os novos deputados estão sendo empossados em cerimônias brevíssimas, no gabinetes da presidência da Câmara. Ontem, por exemplo, o segundo vice-presidente da Câmara, deputado Barbosa Neto (PMDB-GO), num ato de dois minutos, deu posse a Prisco Viana (PPB-BA), que ainda leu um termo de posse e prometeu respeitar a Constituição. Viana vai substituir Jorge Khoury (PFL), que assumiu a secretaria do Meio Ambiente da Bahia.

“Assumo por dever. Nunca vivi uma experiência dessa, mas não me sinto constrangido. É algo previsto na Constituição. Vou ficar à disposição da Câmara nesse curto período”, disse Prisco Viana, que foi deputado por sete mandatos.

No final, Barbosa Neto desejou boa sorte ao novo parlamentar. Dos deputados dessa legislatura que deixaram a Câmara para ocupar outros cargos, três renunciaram ao mandato porque se elegeram governadores: Aécio Neves (PSDB-MG), Germano Rigotto (PMDB-RS) e Wellington Dias (PT-PI).

Oito deputados deixaram o Parlamento para virarem ministros e secretários do Governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Fonte: Diaário de São Paulo

Comentários