30/09/2019 17h09

Casal “cuidava” da menina, de 14 anos, que havia sido retirada dos pais biológicos porque eles tinham problemas com drogas

Gisele Berto

Uma menina de 14 anos, que havia sido retirada dos pais biológicos por enfrentarem problemas com drogas, vinha sendo estuprada há dois anos pelo padrasto – com o consentimento da esposa do homem.

O caso foi levado pelo Conselho Tutelar de Água Clara à Delegacia e o Delegado de Polícia Titular decretou, na sexta-feira, 27, a prisão em flagrante do indivíduo. Hoje a decisão foi ratificada pelo Ministério Público em audiência de custódia.

O estupro foi descoberto depois da vítima apresentar comportamente depressivo no colégio. Levada à Delegacia, em depoimento especial acompanhado por Conselheira Tutelar, a menina contou com detalhes que vinha sendo estuprada nos últimos dois anos quase que diariamente, mediante grave ameaça, e que a última vez havia sido na noite anterior, contando que o autor teria ejaculado em sua vagina e que sua mãe de criação, esposa do suspeito, presenciava a situação e nada fazia.

A equipe policial foi até residência do casal e levou ambos à Delegacia. Com acesso aos registros telefônicos do suspeito a polícia encontrou conversas de WhatsApp de cunho sexual. Em uma delas, o suspeito chamava a vítima de “delícia, delícia, linda”, e em outra perguntava se a adolescente “estaria transando” e por isso demorava a responder suas mensagens.

Foi realizado exame sexológico forense na vítima e encontrado material semelhante a sêmen, colhido para análise de DNA. A investigação prossegue e já conta com depoimento de ao menos outra testemunha que confirma ter presenciado relações de teor sexual entre o investigado e a vítima.

A esposa do investigado também poderá responder por crime hediondo, na condição de responsável legal da vítima, pela omissão em ajudá-la, algo que a doutrina criminal classifica como “crime comissivo por omissão”.

De acordo com a Polícia, Água Clara apresenta índices expressivos de estupro de vulnerável – e praticamente todos os casos recentes aconteceram no ambiente familiar.

Comentários