Equipamentos sofisticados, como 21 torres de observação de focos de incêndio, frota própria de veículos e brigadistas treinados auxiliam no combate aos incêndios

Com investimentos em novas tecnologias, a Suzano se prepara para prevenir e combater incêndios em seu maciço florestal durante o período de estiagem, em que o risco de surgimento de focos de incêndio tende a aumentar. A empresa conta hoje com o monitoramento por vídeos de 96% de toda a sua área florestal e tem feito investimentos constantes em equipamentos de ponta e treinamento contínuo de seus brigadistas.

“A prevenção e o combate a incêndios florestais são ininterruptos em nosso maciço florestal, assim como nossa busca para aprimorarmos estas ações. Com constantes investimentos em novas tecnologias, mantemos um monitoramento 24 horas por dia e equipes prontas para atuar em qualquer situação e a qualquer momento. Com a chegada do período de estiagem esses cuidados são redobrados em decorrência da combinação típica dessa época do ano, ventos e baixa humidade do ar. Nosso objetivo é preservar tanto o nosso maciço florestal como a biodiversidade da região e garantir a segurança e a saúde da comunidade em geral”, reforça Jansen Barrozo Fernandes, gerente executivo de operações florestais da Suzano.

Nos últimos anos, a empresa investiu na instalação de 21 torres de observação de focos de incêndio e 2 repetidoras de frequência nos módulos florestais existentes em Três Lagoas, Brasilândia, Água Clara, Ribas do Rio Pardo e Selvíria. Alimentadas por energia solar, as torres são equipadas com câmeras digitais com giro de 360°, proporcionando o controle, 24 horas por dia, de 96% dos mais de 450 mil hectares de áreas florestais da empresa no Estado.  O alcance das torres, que medem entre 54 metros e 72 metros de altura, chega a um raio de 15 quilômetros cada, o que trouxe uma redução de 31% no tempo médio de resposta a focos de incêndio quando comparado ao período anterior às torres.

“As torres de observação enviam as imagens online para uma central. Durante o dia, as câmeras alertam automaticamente quando detectam fumaça e, à noite, quando captam luminosidade, o que torna toda a operação mais eficaz, desde o acionamento da brigada até o acompanhamento e conclusão das atividades, evitando, assim, maiores danos ao maciço e também à fauna, uma vez que é grande o número de animais silvestres em nossas áreas. Além disso, se o foco de incêndio está em um vizinho, o responsável é avisado imediatamente”, completa o gerente.

Brigada

A Suzano também tem investido no treinamento e formação de seus brigadistas. No fim de 2019, a empresa formou 117 novos brigadistas. Com isso, a Brigada de Incêndio passou a contar com 429 profissionais altamente treinados para atuar em ações de combate a incêndio e outras urgências, o que corresponde a um aumento de 37,5% no quadro de brigadistas.

As equipes contam com uma frota de três caminhões de combate a incêndio de alta capacidade (15 mil litros), nove caminhonetes 4×4 com capacidade para 600 litros, dois caminhões multitarefas (4 mil litros)  em dedicação exclusiva, todos dotados de equipamentos modernos de combate a incêndios e itens de proteção individual, como capacete termoplástico, óculos de proteção antirrisco e antiembaçamento, capuz em malha de aramida, luvas em vaqueta com forro, macacão de combate com forro e botas antichamas. Além disso, 57 caminhões pipas utilizados na operação florestal silvicultura estão aptos à intervenção em possíveis ocorrências.

Incêndios

Levantamento divulgado pela Reflore/MS (Associação Sul-Mato-Grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas) aponta que, somente em 2019, foram registrados 11.653 focos de incêndio em Mato Grosso do Sul. O número equivale a um aumento de 389% em relação a 2018, quando o Estado registrou 2.380 focos de incêndio e é o mais alto dos últimos 14 anos. O levantamento tem como base dados do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Na região da Costa Leste, foram 327 focos de incêndios em 2019.

Entre as principais causas dos focos de incêndio, estão, fenômenos naturais, incidentes ou acidentes e, principalmente, problemas culturais (hábitos e comportamentos).  Estima-se que grande parte dos incêndios seja causada por humanos. Para este ano, a Reflore/MS, da qual a Suzano é associada, lançou a 8ª Campanha de Prevenção e Combate a Incêndio com o tema “Fogo Mata”.


Comentários