12/03/2012 20h30 – Atualizado em 12/03/2012 20h30

Centro da Aeronáutica investiga queda de avião com militares na Capital

Avião caiu na manhã desta segunda-feira durante pouso em vôo de manutenção, segundo nota da Sejusp

Da Redação*

A Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública) divulgou nota sobre a queda de avião do Governo do Estado nesta segunda-feira de manhã no Aeroporto Teruel. Nesta terça-feira, segundo a Sejusp, técnicos do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) chegam a Campo Grande para apurar o ‘incidente’.

Na nota distribuída no fim da tarde, a Seejusp diz que o Cenipa foi informado imediatamente à ocorrência. Três militares que tripulavam a aeronave, um bimotor, saíram ilesos. O avião estava sob custódia do Corpo de Bombeiros, mas havia sido cedido ao Grupamento Aéreo da Polícia Militar.

A Sejusp informou que a aeronave fazia um voo de manutenção e todas as medidas para garantir a integridade dos três tripulantes foram adotadas. No bimotor, estavam o piloto, o co-piloto e um técnico.

NOTA

É a seguir a íntegra da nota distribuída pela Sejusp:

Com relação ao incidente ocorrido na manhã desta segunda-feira (12) com o avião bimotor Baron A-56, prefixo PT-KPG, na pista do aeroporto Teruel em Campo Grande, a Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informa que todas as providências foram tomadas no sentido de garantir a integridade física dos três tripulantes, que não se feriram, e esclarecer as causas do incidente. A ocorrência se deu durante procedimento de pouso em um voo de manutenção.

De imediato, o Agente de Segurança de Voo da Coordenadoria-Geral de Patrulhamento Aéreo (CGPA), órgão responsável pela frota de aeronaves da Sejusp, acionou o Corpo de Bombeiros, bem como o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), que tem como atribuições a supervisão, o planejamento, o controle e a coordenação de atividades de investigação e prevenção de acidentes aeronáuticos.

Avião com dois bombeiros e um policial civil fez pouso forçado na Capital.(Foto: Tatiane Queiroz/G1 MS)

Comentários