02/09/2014 12h17 – Atualizado em 02/09/2014 12h17

Na região metropolitana de Cuiabá, fortes chuvas, causadas por uma enorme massa de ar quente e úmida oriunda da Amazônia, destruiu o teto de um aeroporto e inundou a Capital de MT

Da redação

Quem não se lembra dos momentos de pavor causados pelos temporais que destruíram prédios e deixaram muita gente em desabrigo em Três Lagoas, em 2010 e mais recentemente em março deste ano? E tais fenômenos climáticos podem estar prestes a acontecer, caso o “grau de irritabilidade” do tempo, que causou ontem estragos na região metropolitana de Cuiabá, capital de Mato Grosso, também alcance o Bolsão Sul-mato-grossense. A meteorologia já revela que o sul de Mato Grosso do Sul vai ser atingido pela enorme massa de ar quente e úmida oriunda da Amazônia, que está chegando ao Sul do Brasil por jatos de baixos níveis, com ventos de 100 km/h.

O tempo instável e a tempestade severa serão provocadas por um mecanismo de trovoadas bastante organizado, tecnicamente chamado de Complexo Convectivo de Mesoescala (CCM), que pode romper-se ao longo da madrugada desta terça-feira (02), entre o Paraguai, Argentina e oeste da Região Sul do Brasil. Esses fenômenos podem desencadear vendavais intensos e até tornados.

Um CCM é um sistema bem conhecido na meteorologia que, geralmente, causa chuvas intensas em um pequeno período de tempo, além de causar grazino, vendavais e até tornados. As tempestades severas são a causa de grande destruição.

NO MT

Pela segunda vez no ano, o teto do aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande (região metropolitana de Cuíabá-MT), foi destruído pela força dos ventos e da chuva no final da tarde de ontem (1°). Na área externa e na cobertura da praça de alimentação, a estrutura foi gravemente danificada e permitiu que setores do terminal ficassem alagados com a entrada de água da chuva.

Esta não foi a primeira vez que a incidência de ventos e chuva provoca estragos na estrutura do aeroporto, o qual se encontra em obras de ampliação e reforma.

Em julho, vários pedaços do forro do teto na parte nova do aeroporto (que abrange o setor de desembarque) despencaram sobre a calçada. À época, a Infraero explicou que aquela parte do forro ainda não estava devidamente fixada e exigiu reparos ao consórcio responsável pelas obras de reforma e ampliação do terminal.

Além do aeroporto, a chuva forte causou trechos de alagamento e congestionamento em várias vias da cidade.

EM MS

A situação em Mato Grosso do Sul, em termos de eventos propícios a tempestades (ar seco e temperaturas altas), não é diferente.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o tempo hoje no Estado será parcialmente nublado, com pancadas de chuvas e trovoadas no sul; chuvas e trovoadas no centro e leste. Para amanhã, a previsão é de parcialmente nublado a nublado, com pancadas de chuva e trovoadas no sudeste.

Em Três Lagoas, onde não choveu durante o mês de agosto, o sol aparecerá com aumento de nuvens e pancadas de chuva à tarde e à noite desta terça-feira (02). A temperatura máxima será de 34°C e a mínima foi de 23°C.

Para esta quarta-feira (03), a previsão é de sol e aumento de nuvens durante o dia, com períodos de nublado e chuva a qualquer hora. A máxima será de 31°C e mínima de 24°C. (Com sites meteorológicos)

Fortes chuvas que caíram em MT ontem, estão vindo para MS e podem também causar estragos (Foto: Climatempo)

O mês de agosto foi de período sem precipitações pluviais, segundo dados do Cemtec (Foto: Ilustração)

Segundo a meteorologia, a temperatura máxima em agosto foi registrada no último dia do mês: 38°C (Foto: Inmet))

A menor mínima aconteceu no dia 11, quando os termômetros registraram 14,30°C (Foto: Inmet)

No dia 20, a meteorologia registra umidade mínima de 12%, clima seco que castiga Três Lagoas (Foto: Inmet)

Comentários