26/03/2018 08h32

Willams Araújo

Teste drive

Em suas andanças pelo interior do Estado, André Puccinelli começou a esboçar pela primeira vez, suas primeiras defesas em torno de denúncias contra ele e correligionários. O assunto é delicado, mas o líder emedebista deu início a uma ofensiva que certamente será usada estrategicamente na eventualidade de manter sua candidatura ao governo. “Não tenho até hoje nenhuma condenação da Justiça, de nenhuma espécie. Sou ficha limpa”, afirmou em Dourados, ao falar como pretende enfrentar as acusações que, segundo ele, seus adversários pretendem usar contra ele. Pelo jeito já deve estar sabendo o desfecho das investigações da Operação Lama Asfáltica, da Polícia Federal.

Troco

A amigos íntimos, André Puccinelli (MDB) tem dito que um de seus grandes trunfos nas próximas eleições é impedir a reeleição do deputado federal Geraldo Resende, que trocou o MDB pelo PSDB do governador Reinaldo Azambuja. Não foi à toa que levou para o seu partido o deputado estadual e também médico, assim como o tucano, George Takimoto, egresso do PDT. Por falar nisso, Resende não anda muito amistoso com a cúpula regional do PSDB por causa da briga por espaço por uma das cadeiras do Senado.

Leilão

Aliás, o comando regional do PSDB começou a admitir a possibilidade de negociar as duas vagas do Senado com partidos aliados, isto é, largando mão de disputar o cargo para reforçar o palanque de Reinaldo Azambuja. A conversa inclui até mesmo a desistência de André Puccinelli de disputar o governo do Estado para fortalecer a chapa tucana durante a campanha. Se a ideia prosperar, frustrará as pretensões eleitorais dos secretários Eduardo Riedel (Governo) e Marcelo Miglioli (Infraestrutura), além de Geraldo Resende.

Afago

Ao discursar em ato político do MDB em Dourados, Takimoto disse que decidiu ficar ao lado de André Puccinelli por representar o melhor caminho para a retomada do desenvolvimento de Mato Grosso do Sul e a volta de programas que melhorem efetivamente a vida das pessoas. “Faço isso por Dourados e pelo nosso Estado. Quero estar ao lado de quem trabalha e trabalha muito”, elogiou o deputado, depois de assinar a ficha durante o encontro regional do partido em sua base eleitoral.

Ação Municipalista

A CNM e a Assomasul reunirão prefeitos e secretários municipais, no próximo dia 3, na sede da entidade, em Campo Grande, para discutir extensa pauta como parte do programa “Ação Municipalista”. A programação, das 8h30 às 18h, inclui debates sobre a pauta prioritária, os ‘Municípios e o Pacto Federativo Brasileiro’, os apontamentos mais recorrentes dos Tribunais de Contas nos Estados; e a urgência em aperfeiçoar a Lei da Improbidade Administrativa e acrescentar responsabilizações de outros agentes políticos no Decreto-Lei 201/1967. Estão previstas discussões sobre precatórios, licitações e cuidados permanentes com a Lei 101/2000 de Responsabilidade Fiscal.

Comentários