19/01/2012 15h59 – Atualizado em 19/01/2012 15h59

Renovação de visto não precisa mais de entrevista; medida tem como objetivo estimular economia e turismo para os EUA

IG

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou nesta quinta-feira uma ordem executiva que pretende agilizar em 40% a capacidade de tramitar vistos em seus consulados no Brasil e na China em 2012, entre outras medidas para potencializar o turismo.

A ordem inicia um extenso plano focado em impulsionar a criação de empregos nos Estados Unidos através da facilitação das viagens turísticas de cidadãos de países emergentes, segundo informou a Casa Branca em comunicado.

As solicitações de vistos para os Estados Unidos tramitadas no Brasil aumentaram 42% em 2011 e o governo de Obama calcula que para 2016 as viagens dos brasileiros ao país terão aumentado 274% com relação a 2010. Para fazer frente a essa demanda, o Departamento de Estado quer se certificar que 80% dos solicitantes de vistos de turista no Brasil e na China possam ser submetidos à entrevista nas três semanas seguintes ao recebimento do pedido.

Além disso, trabalhará para expandir o programa que exime os visitantes da necessidade de um visto e ampliar a duração permitida de sua estadia nos EUA. Tanto no Brasil como na China será iniciado um programa piloto para processar as solicitações de visto, que inclui a possibilidade de prescindir de entrevistas para os viajantes considerados “de baixo risco”, como os que estejam tentando renovar seu visto de não imigrante.

No caso do Brasil, é previsto que também possam viajar sem entrevista prévia “os jovens ou aqueles que solicitem o visto pela primeira vez”, segundo o comunicado. Além disso, os Estados Unidos acrescentarão Taiwan à lista de 36 nações que podem viajar ao país a turismo sem necessidade de visto, responsáveis por 60% das viagens ao país.

“A cada ano, dezenas de milhões de turistas de todo o mundo vêm visitar os Estados Unidos. E quanto mais visitantes vierem, mais americanos voltarão a trabalhar”, disse Obama em comunicado. O governante, que após assinar a ordem viajou ao parque Disney World, em Orlando (Flórida), para apresentar o plano de forma mais ampla, incluiu a iniciativa em seu programa de criação de emprego “We Can’t Wait” (Nós não podemos esperar, em tradução livre), impulsionado mediante ordens executivas que não precisam de aprovação do Congresso.

Segundo a Casa Branca, se os Estados Unidos aumentarem sua participação no mercado turístico internacional, podem ser criados no país mais de um milhão de empregos na próxima década.

Comentários