29/03/2016 09h06 – Atualizado em 29/03/2016 09h06

Em evento do DEM do deputado estadual Zé Teixeira, ocorrido no ano passado em Campo Grande, o senador Ronaldo Caiado já defendia uma renúncia coletiva da presidente Dilma Rousseff a todos os integrantes do Congresso – deputados e senadores – e que novas eleições fossem convocadas. Depois da lista da Odebrecht que compromete a maioria dos parlamentares, certamente o democrata e líder ruralista vai insistir nessa tese mesmo sabendo que é uma grande utopia, mas agora com forte apelo popular.

SOB SUSPEITA

Por falar em Odebrecht, Mato Grosso do Sul ocupa o desonroso décimo primeiro lugar em lista da empreiteira em relação a repasses de dinheiro a políticos durante suas campanhas eleitorais. Por enquanto, não se sabe se foi de forma lícita ou ilícita. Só uma a investigação da Lava Jato, porém, vai conseguir detectar se houve crime ou não. Os trabalhos da Polícia Federal devem começar o mais rápido possível para desvendar mais essa dúvida da Justiça. Como o juiz Sergio Moro tem sido célere com seu trabalho, muito em breve tudo será esclarecido.

PROJETO SOLO

Após mamar na gorda teta governamental até se fartar, o PMDB agora quer chutar o balde e, assim, derramar a última gota de leite que sobrou e que, eventualmente, poderia cair na boca de outros sedentos aliados. Apesar de dividido, tudo caminha para que o partido de Michel Temer realmente deixe de apoiar o governo e fique numa posição que os insurgentes entendem ser confortável. Numa eventual queda de Dilma, o partido assumiria o poder até a próxima eleição e tentaria construir um projeto de reeleição. Tudo vai depender da aceitação do povo.

DESCONFORTO

Lista divulgada pelo Banco Central revela que 26 municípios de Mato Grosso do Sul colecionam uma dívida calculada em R$ 292,950 milhões com o Tesouro Nacional. O maior devedor é Campo Grande, com R$ 166,879 milhões, seguido por Dourados, com débitos de R$ 60,096 milhões. A lista incômoda indica que a maior dívida por habitantes é de Bandeirantes: R$ 967,51 per capita.

Comentários